Eventos adversos associados ao tratamento da hepatite c genótipo1 com peg-interferon alfa e ribavirina: impacto na resposta virológica sustentada e na adesão ao tratamento

Eventos adversos associados ao tratamento da hepatite c genótipo1 com peg-interferon alfa e ribavirina: impacto na resposta virológica sustentada e na adesão ao tratamento

Autor Benedetto, Daniela Michaelis de Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ferraz, Maria Lucia Cardoso Gomes Ferraz Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Gastroenterologia
Resumo Resumo Introdução. O vírus da hepatite C é um grande problema de saúde pública que acomete milhões de pessoas no mundo todo. O tratamento da hepatite C crônica com interferon peguilado (PegIFN) e ribavirina (RBV) é o atualmente proposto para pacientes com genótipo 1. Estas medicações podem acarretar em uma série de eventos adversos (EAs), de variadas intensidades e em diferentes sistemas, o que interfere de forma relevante, não apenas na adesão ao tratamento, como também na qualidade de vida dos pacientes. Objetivo: Este estudo objetivou estudar o impacto dos eventos adversos decorrentes do tratamento da hepatite C na resposta virológica sustentada (RVS) e na adesão ao tratamento. Casuística e Métodos: Foram estudados 232 pacientes anti-HCV e HCVRNA positivos, portadores do genótipo 1, que foram submetido a tratamento com PegIFN e RBV. Os eventos adversos documentados em prontuários padronizados de tratamento foram avaliados neste estudo. A ocorrência de eventos adversos foi relacionada aos desfechos de RVS, reduções de doses de medicamentos, suspensões temporárias e interrupções precoces do tratamento. Resultados: Praticamente todos os pacientes apresentaram algum tipo de EA durante a terapia da hepatite C. Síndrome flu-like, manifestações dermatológicas e as manifestações psiquiátricas se mostraram como os tipos de EAs clínicos mais frequentes durante a terapia antiviral. Dentre os eventos hematológicos, a anemia foi o EA predominante. Na análise comparativa, a redução de dose das medicações decorrentes dos EAs foi estatisticamente associada ao gênero feminino e ao estadiamento mais avançado, enquanto que a interrupção prematura da terapia foi associada a idade acima de 40 anos e menor frequência de RVS. Conclusão: Este estudo permitiu concluir que quase a totalidade dos pacientes tratados com PegIFN e RBV desenvolvem algum tipo de evento adverso, tanto de ordem clínica quanto de ordem laboratorial. Destes, cerca de um terço desenvolvem EA mais importante, com impacto sobre o tratamento, levando à redução de dose, suspensão temporária do tratamento ou interrupção prematura do mesmo. Entretanto, somente a interrupção precoce da terapia, que ocorreu com maior frequência em pacientes com idade mais avançada, teve impacto sobre a taxa de resposta virológica sustentada.
Assunto eventos adversos
tratamento
hepatite c
rvs
adesão
Idioma Português
Data 1905-07-05
Publicado em BENEDETTO, Daniela Michaelis de. Eventos adversos associados ao tratamento da hepatite c genótipo1 com peg-interferon alfa e ribavirina: impacto na resposta virológica sustentada e na adesão ao tratamento. 2013. 135 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2013.
Linha de pesquisa Medicina
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 135 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=127389
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48475

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)