O modelo capitalista, desemprego e sofrimento psíquico em enfermeiras da região de Assis/SP

O modelo capitalista, desemprego e sofrimento psíquico em enfermeiras da região de Assis/SP

Autor Silva, Daniel Augusto da Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Marcolan, Joao Fernando Marcolan Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Enfermagem
Resumo O desemprego é causador de sofrimento psíquico. Esta pesquisa teve por objetivos discutir questões sobre sofrimento psíquico em enfermeiros na busca do primeiro emprego enquanto na situação de desemprego, verificar a existência de sintomas de adoecimento psíquico e em especial de sintomatologia depressiva, identificar os fatores que levaram esses enfermeiros à situação de sofrimento e a forma de enfrentamento desse estado. Trata-se de pesquisa exploratória-descritiva, método qualitativo pela análise de conteúdo e teoria marxista para análise dos dados. A pesquisa foi realizada com enfermeiros formados há menos de dois anos que residiam na região de Assis/SP, egressos das duas universidades de Assis/SP. A coleta de dados se deu por meio de questionário socioeconômico e questões norteadoras e aplicação da escala psicométrica Inventário de Depressão de Beck. Houve a participação de quatorze enfermeiras, caracterizadas pela força de trabalho jovem e serem do sexo feminino; três apresentaram pontuação indicativa para depressão com aplicação da escala psicométrica. Todas as participantes relataram sofrimento psíquico relacionado ao desemprego como enfermeira. Com a política de escolarização imposta pelo capitalismo, a formação de enfermeiros tem sido em grande proporção no Brasil, enquanto que o número de vagas de emprego não acompanhou esse crescimento, o que tem gerado enfermeiros graduados sem emprego. O maior quantitativo de profissionais na área da Saúde e também exército de reserva está na Enfermagem e na região sudeste do País, devido à lógica capitalista da concentração de recursos financeiros e de vagas de trabalho. O exército de reserva de profissionais é perversidade do capitalismo que leva os indivíduos a buscarem melhor preparo de qualificação que não se traduz em empregabilidade, a acreditarem em sua própria culpa por não conseguir emprego e ao sofrimento psíquico. Os sentimentos de sofrimento psíquico expressos pelos participantes foram frustração, tristeza, impotência, desânimo, desespero, decepção, menos valia, ideação negativa associados a alterações e sintomas físicos. Houve avaliações negativas quanto a formação acadêmica, estágios curriculares e despreparo do profissional, o que aponta para a qualidade do ensino oferecido. O enfrentamento do sofrimento gerado nos profissionais englobou ações subjetivas e individualizadas, que traziam alívio passageiro e subliminarmente levaram à cronificação do status quo. O sistema capitalista em sua essência gananciosa, gerador de desemprego como fator de sustentação de sua hegemonia, foi responsável pela situação de sofrimento das entrevistadas da região de Assis/SP em situação de desemprego como enfermeira.
Assunto enfermagem
capitalismo
desemprego
sofrimento psíquico
Idioma Português
Data 2014-03-26
Publicado em SILVA, Daniel Augusto da. O modelo capitalista, desemprego e sofrimento psíquico em enfermeiras da região de Assis/SP. 2014. 179 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.
Linha de pesquisa Enfermagem
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 179 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1681910
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48408

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)