Doença de huntington: estudo volumétrico comparativo em pacientes, pré-sintomáticos e controles normais através segmentação automatizada utilizando imagens de ressonância magnética

Doença de huntington: estudo volumétrico comparativo em pacientes, pré-sintomáticos e controles normais através segmentação automatizada utilizando imagens de ressonância magnética

Author Yared, James Henrique Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Ferraz, Henrique Ballalai Ferraz Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Neurologia - Neurociências
Abstract Purpose: To evaluate if deep gray matter volume is able to differentiate presymptomatic Huntington individuals from normal controls. Methods: 1,5 Tesla Magnetic Resonance acquisitions were submitted to automated segmentation for volume measure of basal nuclei in Huntington?s disease patients, presymptomatic individuals and normal controls. Results: There were significant lower volumes of caudate nucleus, putamen and pallidum in the presymptomatic group when comparing to normal controls (p<0,05). Thalamus, Accumbens nucleus and amygdala volumes didn?t differ significantly between these 2 groups. Conclusions: Automated segmentation of Magnetic Resonance images for volumetric measure of basal nuclei (caudate nucleus, putamen and pallidum) was capable in reliably differing presymptomatic Huntington individuals from normal controls

A doença de Huntington tem sua etiologia e história natural amplamente reconhecidos e descritos na literatura(1). Proeminentes esforços estão em andamento para se instituir agentes terapêuticos seguros e eficazes para diversas doenças neurodegenerativas, incluindo a doença de Huntington(2). Torna-se necessário portanto o desenvolvimento de biomarcadores sensíveis e específicos para avaliação da resposta terapêutica e isto se aplica à fase prodrômica da doença de Huntington também denominada fase pré-sintomática (pré-DH), premanifesta(3) ou pré-clínica(4,5). Sabe-se que diversas alterações estruturais estão presentes no cérebro de pacientes com doença de Huntington, sendo que as mais evidentes envolvem a substância cinzenta profunda, particularmente o neoestriado (núcleo caudado e putâmen). Estas alterações foram primeiramente observadas aos estudos post mortem e posteriormente in vivo com o desenvolvimento da Tomografia Computadorizada (TC) em pacientes em fases avançadas da doença. Em um primeiro momento, não se observavam nítidas alterações anatômicas em sujeitos na fase pré-sintomática da Doença de Huntington em relação a controles normais. Com o desenvolvimento e aprimoramento de imagens de alta resolução por Ressonância Magnética (RM) e com o avanço de técnicas de pós-processamento das imagens adquiridas, tornou-se possível uma avaliação mais precisa de diversas variáveis como o volume das estruturas subcorticais. Através destes métodos, quando comparados sujeitos pré-HD e controles sadios, nítidas diferenças volumétricas foram demonstradas de forma transversal e longitudinal entre o córtex(6-10), substância branca(8-11) e estruturas subcorticais(10,12-15). Enquanto estudos pregressos utilizavam técnicas manuais de pós-processamento para delineamento destas estruturas(16,17), mais trabalhosas e sujeitas a maior variabilidade intra e inter-examinador, estudos mais recentes empregam métodos totalmente automatizados(18-24). Estes métodos têm se demonstrado mais rápidos, consumindo um tempo significativamente menor por parte do examinador, não sendo também suscetíveis ao viés inerente à técnica manual de reconhecimento das estruturas anatômicas que depende do conhecimento do examinador e de sua capacidade de diferenciar interfaces anatômicas por vezes submilimétricas. Os métodos de aferição volumétrica automatizada podem ser baseados em voxel ou superfície, este último mais preciso devido sua resolução não ser limitada em virtude do voxel sendo também menos sensível ao ruído e efeito de volume parcial(25). Atualmente, dentre os programas mais utilizados para segmentação das diversas estruturas cerebrais esta o FreeSurfer (FS) desenvolvido pelo Martinos Center Massachusetts Institute of Technology-Harvard.
Keywords doença de huntington
imagem por ressonância magnética
gânglios da base
processamento de imagem assistida por computador
Language Portuguese
Date 2015-07-29
Published in YARED, James Henrique. Doença de huntington: estudo volumétrico comparativo em pacientes, pré-sintomáticos e controles normais através segmentação automatizada utilizando imagens de ressonância magnética. 2015. 41 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Research area Medicina
Knowledge area Ciências da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 41 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2658245
Access rights Closed access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48365

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account