Avaliação das propriedades moduladoras do cafestol sobre o processo de morte celular em células hl60

Avaliação das propriedades moduladoras do cafestol sobre o processo de morte celular em células hl60

Author Lima, Caue Santos Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Trindade, Claudia Bincoletto Trindade Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Farmacologia
Abstract O café, uma bebida consumida por pessoas de todos os continentes, apresenta em sua composição muitos compostos com propriedades farmacológicas distintas. Estudos epidemiológicos sugerem que o consumo moderado da bebida de café pode auxiliar na redução do desenvolvimento de algumas patologias. Entre os compostos presentes no café se destaca o cafestol, um diterpeno de esqueleto caurano com estrutura policíclica, que vem sendo estudado em várias áreas da medicina. Desta forma, esse trabalho objetivou avançar um pouco mais sobre o conhecimento das propriedades bioativas de compostos presentes na bebida de café pela avaliação do potencial modulador do cafestol sobre o processo de morte celular e vias relacionadas em células leucêmicas. Inicialmente um screening para a escolha das concentrações a serem utilizadas no decorrer do trabalho foi realizado pelo método de exclusão com azul de tripano, utilizando para isto quatro linhagens leucêmicas distintas (HL60, K562, NB4 e KG1), as quais foram incubadas sob as concentrações de cafestol (20µM, 40µM, 80µM e 150µM) por 24 horas. A citarabina foi utilizada como controle positivo de morte celular. Como resultado verificou-se que o cafestol foi citotóxico contra as quatro linhagens celulares avaliadas, onde as células KG-1 e HL-60 foram as mais sensíveis a este diterpeno. A partir destes dados as células HL60 foram escolhidas para a continuidade dos estudos envolvendo os mecanismos celulares do cafestol. Nestas células HL60 o cafestol (40µM e 80µM) induziu morte celular (apoptose, apoptose tardia e necrose) caracterizada e quantificada por citometria de fluxo após marcação com anexinaVFITC/PI de forma similar a citarabina. Assim como a citarabina, o cafestol também foi capaz de reduzir o potencial de membrana mitocondrial após 12 horas de exposição e ativar caspase-3 após 24 horas de exposição. O processo de diferenciação celular, avaliado por citometria de fluxo utilizando a marcação com anticorpos anti-CD15 e anti-CD11b, também foi induzido pelo cafestol quando as células HL60 foram tratadas com concentrações de 10µM e 20µM deste diterpeno, sugerindo assim que o processo de diferenciação pode estar participando dos efeitos citotóxicos deste diterpeno sobre as células HL60. Um aumento na fração celular sub-G1 confirmou os efeitos citotótixos e indutores de morte celular do cafestol com ausência de efeitos deste diterpeo sobre o ciclo celular em células HL60 marcadas com iodeto de 10 propídeo. Objetivando avaliar se o cafestol teria alguma especificidade sobre as células HL60, o potencial clonogênico destas células foi avaliado e comparado com seus efeitos sobre a capacidade clonogênica de células mononucleares da medula óssea murina. Os resultados demonstraram que o cafestol erradicou o potencial clonogênico das células HL60 de forma similar a citarabina, a qual também inibiu o potencial clonogênico das células de medula óssea normal. Porém, as células mononucleares da medula óssea murina foram preservadas na presença do cafestol, o qual ainda foi capaz de aumentar a formação de colônias de ganulócitos e macrófagos (CFU-GM) em relação ao controle sem tratamento. Para finalizar associamos o cafestol a citarabina para verificarmos um possível papel do cafestol no aumento da atividade de fármacos anticancerígenos, uma vez que a terapia complementar vem demonstrando um potencial interessante para a terapia combinada envolvendo compostos de origem natural e fármacos antineoplásicos sintéticos. Nossos resultados demonstraram que o cafestol é capaz de aumentar a atividade da ciratabina em células HL60, sugerindo assim que estudos adicionais sobre esta combinação e seu impacto sobre a resposta de células leucêmicas á citarabia seriam desejáveis. Concluímos ainda que o cafestol é capaz de modular o processo de morte celular, abrindo perspectivas de usos e novos estudos dentro de várias áreas médicas, onde o desequilíbrio entre morte e sobrevivência celular são fatores críticos na progressão da doença.
Keywords cafestol
morte celular
Language Portuguese
Date 2015-07-31
Published in LIMA, Caue Santos. Avaliação das propriedades moduladoras do cafestol sobre o processo de morte celular em células hl60. 2015. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Research area Farmacologia
Knowledge area Ciências biológicas
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3410813
Access rights Closed access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48204

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account