Avaliação da doença hepática gordurosa não alcoólica em pacientes com ataxia-telangiectasia: associação com biomarcadores relacionados ao metabolismo da glicose

Avaliação da doença hepática gordurosa não alcoólica em pacientes com ataxia-telangiectasia: associação com biomarcadores relacionados ao metabolismo da glicose

Autor Rafael, Marina Neto Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Carvalho, Beatriz Tavares Costa Carvalho Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria
Resumo Introdução:A ataxia telangiectasia (A-T) é uma doença neurodegenerativa, que cursa com imunodeficiência em graus variáveis, disfunção mitocondrial, exacerbação do estresse oxidativo e risco aumentado para o desenvolvimento de diabetes e aterosclerose. Objetivo: Avaliar a presença de esteatose hepática e de alterações na alanina aminotransferase (ALT) em pacientes com A-T e verificar a associação com biomarcadores relacionados ao metabolismo lipídico e da glicose. Métodos: Estudo transversal envolvendo os pacientes com diagnóstico de A-T (n=18), de ambos os sexos, com idades entre 5 e 25 anos. Foram avaliados: estado nutricional, ultrassonografia (US) hepática, biomarcadores relacionados ao metabolismo lipídico, da glicose (teste de tolerância oral à glicose com determinação da insulina), função hepática, perfil lipídico e proteína C reativa ultrassensível. Resultados:A mediana de idade foi de 13,1 anos (5,0;25,4); 15 (83%) eram do gênero masculino e 9 (50%) pré-púberes. Desnutrição foi observada em 6/18 (33,5%), dislipidemia em 10/18 (55,5%), alteração do metabolismo de glicose em 8/12 (66,6%), sendo um paciente diabético. Esteatose hepática foi avaliada por US em 11/17 (61,1 %) pacientes, e 7/17 (41,2%) apresentavam esteatohepatite (esteatose hepática e ALT > 40 U/L). As concentrações de ALT correlacionaram-se de forma direta com a idade (r = 0,792; p < 0,001) e soma de insulina (r = 0,782; p = 0,004), sendo esta, maior nos pacientes com esteatose e esteatohepatite em relação aos sem alterações hepáticas [sem esteatose: 82,2 uU/L (19,1;153,3) vs com esteatose: 148,1 uU/L (63,2; 415,9) vs com esteatohepatite 590 uU/L (194,8;2431,9); p = 0,047]. Conclusão: Pacientes com A-T apresentam alterações hepáticas sugestivas de esteatohepatite que se associaram com resistência insulínica. Tais alterações podem complicar a evolução da doença.
Assunto ataxia telangiectasia
esteatose hepática
resistência insulínica
imunodeficiência
Idioma Português
Data 2015-07-31
Publicado em RAFAEL, Marina Neto. Avaliação da doença hepática gordurosa não alcoólica em pacientes com ataxia-telangiectasia: associação com biomarcadores relacionados ao metabolismo da glicose. 2015. 51 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Linha de pesquisa Medicina
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 51 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2697984
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48166

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)