Qualidade da atenção pré-natal em unidades básicas de saúde da coordenadoria regional de saúde sudeste do município de São Paulo

Qualidade da atenção pré-natal em unidades básicas de saúde da coordenadoria regional de saúde sudeste do município de São Paulo

Autor Lacava, Rose Mary do Valle Boz Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Schirmer, Janine Schirmer Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Enfermagem
Resumo Previous studies have established the correlation between the quality of prenatal care and the reduction in maternal and perinatal mortality rates. This is a non-experimental study, with a cross-sectional and correlational design. The objective was to evaluate the quality of the prenatal care delivered in Basic Health Units (BHU) of the Regional Health Coordination of Southeast Brazil (RHC Southeast) in the municipality of São Paulo. The adopted theoretical frameworks were: Donabedian’s Process approach and the normative criteria of the Brazilian Ministry of Health, established according to the guidelines of the Program for Humanization of Prenatal Care and Childbirth (PHPN). The study population consisted of the following: all pregnant patients whose first prenatal care appointment took place in 2009, in any of the BHUs of the RHC Southeast (16,680 pregnant patients), and every BHU that was in full operation that same year (87 BHUs). The study sample consisted of 426 pregnant women (169 patients of traditional BHUs; 140 of BHUs that implemented the Family Health Strategy (FHS); and 117 from mixed BHUs) and 18 BHUs (08 traditional, 04 mixed, and 06 with the FHS). The selected variables were grouped and distributed into six thematic areas (levels): early prenatal care and number of medical appointments; laboratory tests; anamnesis; procedures related to clinical and obstetric examinations; actions related maternal health promotion and the prevention of illnesses: maternal, perinatal and neonatal; and puerperal appointment. Data collection was performed through medical records analysis. Adequacy levels were established according to the agreement of the variables with the normative criteria, and adequacy indexes were obtained. The statistical analysis comprised the following: descriptive analysis, analysis of variance, and confidence interval (CI). The descriptive analysis permitted to conclude that: in the traditional modality there was a higher proportion of pregnant women who attended fewer than six appointments (approximately 35.0%) and initiated prenatal care after the first gestational trimester (45.0%). The follow-up in late pregnancy was unsatisfactory in the three modalities (30% of pregnant women without the minimum number of appointments). Health care professionals neglected the second routine laboratory tests, except for Hepatitis B serology, which were also disregarded in most actions for health promotion and illness prevention. The anamnesis was most valued in the FHS and mixed modalities. The inadequacy of information about accepting the pregnancy and using illicit drugs was above 72.0%, in the three modalities. The FHS modality had the highest rates of performing the main clinical and obstetric examination procedures. The highest inadequacy percentages were obtained in: obtaining the Body Mass Index (BMI), xiv identifying edema, uterine height, fetal heart rate, fetal presentation; ranging between 46.0% and 98.8%. Approximately 55% of the pregnant women from the traditional BHUs did not attend the puerperal appointment. Analysis of variance and CI: the adequacy indexes for the mean population concerning prenatal care onset and number of medical appointments; laboratory tests, without analyzing the gestational age in the second routine of tests and laboratory tests in the recommended gestational age and the actions related to maternal health promotion and the prevention of illness were statistically equal in quality in the three modalities. Lower adequacy rates were found in the tests (57% to 61%) and in the actions (43% to 47%). In the traditional modality, the quality of prenatal care was poorer in the following: anamnesis; procedures related to clinical and obstetric examinations; and the puerperal appointment. In the modality with FHS, prenatal care was of higher quality in the procedures related to the clinical and obstetric examinations. The FHS and mixed modalities were equally superior in quality in the anamnesis and the puerperal appointment. The overall quality evaluation of the prenatal care at the BHUs of the RHC Southeast indicated that the traditional modality had the poorest quality and that the mixed and FHS modalities were equally superior, with a mean adequacy index of 54% for the traditional modality compared to 65% for the others.

A correlação entre a qualidade da atenção pré-natal e a redução dos índices de mortalidade materna e perinatal já foi estabelecida. Pesquisa não experimental, com desenho transversal-correlacional teve como objetivo avaliar a qualidade da atenção pré-natal prestada em Unidades Básicas de Saúde (UBS) da Coordenadoria Regional de Saúde Sudeste (CRS Sudeste) do Município de São Paulo. Os referenciais teóricos adotados foram: abordagem do Processo proposta por Donabedian e critérios normativos do Ministério da Saúde, estabelecidos segundo diretrizes do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento (PHPN). A população do estudo abrangeu: todas as gestantes que realizaram a primeira consulta pré-natal no ano de 2009, em UBS da CRS Sudeste (16.680 gestantes) e todas as UBS dessa Coordenadoria que apresentavam pleno funcionamento operacional no ano de 2009 (87 UBS). A amostra do estudo foi constituída por 426 gestantes (169 atendidas em UBS tradicionais; 140 em UBS com ESF e 117 em UBS mistas) e por 18 UBS (08 tradicionais; 04 mistas e 06 com ESF). As variáveis selecionadas foram agrupadas e distribuídas em seis áreas temáticas (Níveis): início do pré-natal e número de consultas; exames laboratoriais; anamnese; procedimentos relacionados aos exames clínico e obstétrico; ações relacionadas à promoção da saúde materna e prevenção de agravos maternos, perinatais e neonatais e consulta puerperal. A coleta de dados foi realizada mediante análise dos registros dos prontuários. Foram estabelecidos graus de adequação conforme consonância das variáveis com os critérios normativos e calculados índices de adequação. A análise estatística abrangeu: análise descritiva, de variância e intervalo de confiança (IC). A análise descritiva permitiu concluir que na modalidade tradicional ocorreram maiores proporções de gestantes com menos de seis consultas (aproximadamente 35,0%) e com início do pré-natal após o primeiro trimestre gestacional (45,0%). Acompanhamento no final da gestação foi insatisfatório nas três modalidades (30,0% das gestantes sem o número mínimo de consultas). Exames laboratoriais da segunda rotina, com exceção da Sorologia para Hepatite B, foram negligenciados pelos profissionais de saúde, bem como a maioria das ações de promoção à saúde e prevenção de agravos. Anamnese foi mais valorizada nas modalidades ESF e mista. Inadequação de informação sobre aceitação da gravidez e uso de drogas ilícitas foi superior a 72,0%, nas três modalidades. Procedimentos referentes aos exames clínico e obstétrico, em sua maioria, foram mais realizados na modalidade ESF, sendo que os maiores percentuais de xii inadequação foram obtidos em: cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), verificação de edema, altura uterina, batimentos cardíacos fetais, apresentação fetal, com variação de 46,0% a 98,8%. Aproximadamente 55% das gestantes das UBS tradicionais não realizaram consulta puerperal. Análise de variância e IC: Médias populacionais dos índices de adequação de início do pré-natal e número de consultas; exames laboratoriais, sem análise da idade gestacional na realização da segunda rotina e com realização da mesma na idade gestacional recomendada e ações relacionadas à promoção da saúde materna e à prevenção de agravos foram estatisticamente iguais em qualidade nas três modalidades. Menores percentuais de adequação foram encontrados nos exames (variação de 57% a 61%) e nas ações (variação de 43% a 47%). A modalidade tradicional foi pior em qualidade em: anamnese; procedimentos relacionados aos exames clínico e obstétrico e consulta puerperal. A modalidade ESF foi melhor em qualidade nos procedimentos relacionados aos exames clínico e obstétrico. As modalidades ESF e mista foram igualmente melhores em qualidade em: anamnese e consulta puerperal. A avaliação geral da qualidade da atenção pré-natal prestada nas UBS da CRS Sudeste indicou que a tradicional foi inferior em qualidade e as modalidades, mista e ESF foram igualmente superiores, sendo que a média populacional do índice alcançou adequação de 54% para a tradicional e 65% para as restantes.
Assunto quality of health care
prenatal care
primary health care
process assessment (health care)
qualidade da assistência à saúde
cuidado pré-natal
atenção primária à saúde
avaliação de processos (cuidados de saúde)
Idioma Português
Data 1905-07-06
Publicado em LACAVA, Rose Mary do Valle Boz. Qualidade da atenção pré-natal em unidades básicas de saúde da coordenadoria regional de saúde sudeste do município de São Paulo. 2014. 265 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.
Linha de pesquisa Enfermagem
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 265 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1613602
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47660

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)