Síndrome metabólica na população khisêdjê, residente no Parque Indígena do Xingu - Brasil Central: mudanças no período de 1999-2000 a 2010-2011

Síndrome metabólica na população khisêdjê, residente no Parque Indígena do Xingu - Brasil Central: mudanças no período de 1999-2000 a 2010-2011

Autor Mazzucchetti, Lalucha Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Gimeno, Suely Godoy Agostinho Gimeno Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Saúde Coletiva
Resumo Objective: To identify the changes in the morbidities profile related to metabolic syndrome (MS) among the Khisêdjê indigenous adults and elderly residents in the Xingu Indigenous Park, over the period 1999-2000 to 2010-2011. Methods: This is an epidemiological study, with a serial cross-sectional design (conducted in 1999-2000 and 2010-2011), which allowed the calculation of the measure of cumulative incidence. Both were carried in the Ngôjwêre village. We invited to participate in the study all the subjects of both sexes with ages ?20 years of ethnicity Khisêdjê or residents in the villages of the area covered by the Wawi Indigenous Post Surveillance - Special Health District Xingu Indigenous (Mato Grosso/Brazil). While in the years of 1999-2000 86 individuals were evaluated, in the years of 2010-2011 179 were evaluated; 78 subjects were evaluated in both moments. We used a standard form for data collection. The collection of anthropometric measurements followed the procedures recommended by the World Health Organization in 1995. For the measurement of the body composition a tetrapolar bioelectrical impedance device model was used. For identification of MS and its components the criteria diagnostic proposed by Alberti and colleagues in 2009 were used. The MS was defined by the concomitant presence of at least three metabolic abnormalities: abdominal obesity, glucose intolerance, hypertension, hypertriglyceridemia and low HDL cholesterol. The Stata software was used for all analysis steps. Results: The evaluation conducted in 2010-2011 enabled the identification of a population that is in high metabolic and cardiovascular risk, since 30.7% of SM was found. The comparison the 1999-2000 data with those of 2010-2011 showed deterioration in the morbidities profile related to MS. The main damages were increasing prevalence of overweight of 37.2% to 48.0%; of hypertension of 3.6% to 25.1%; of diabetes mellitus 1.3% to 3.9%; and of hyperuricemia of 5.2% to 15.1%. In terms of body composition, the data suggest that the presence of excessive weight is associated with increased muscle mass. The concomitant evaluation of some individuals made possible the identification, in 10 years of follow-up, the cumulative incidence of 37.5% of SM; of 47.4% of hypertriglyceridemia; of 38.9% of arterial hypertension (AH); of 32.0% of central obesity; of 30.4% of overweight; of 29.1% of hypercholesterolemia; of 25.0% of low HDL-C; of 10.4% of high LDLc; and of 2.9% of diabetes mellitus (DM). The age proved to be a risk factor for the incidence of hypertension, DM and high LDLc, regardless of sex; being male was a protective factor for the incidence of central obesity, independent of age. Conclusions: Deteriorations of most health indicators evaluated were identified, the Khisêdjê are exposed to high cardiometabolic risk. This result may be related to changes in traditional lifestyle.

Objetivo: Identificar as mudanças ocorridas no perfil de morbidades relacionadas à síndrome metabólica (SM) entre os indígenas Khisêdjê adultos e idosos, residentes no Parque Indígena do Xingu, ao longo do período de 1999-2000 a 2010-2011. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico, de delineamento do tipo transversal seriado (realizado em 1999-2000 e 2010-2011), que possibilitou o cálculo da medida de incidência acumulada. Ambos foram realizados na aldeia Ngôjwêre. Foram convidados a participar da pesquisa todos os indivíduos de ambos os sexos e com idade ?20 anos da etnia Khisêdjê ou residentes nas aldeias da área de abrangência do Polo Base Wawi do Distrito Sanitário Especial Indígena do Xingu (Mato Grosso/Brasil). Enquanto nos anos de 1999-2000 foram avaliados 86 indivíduos, nos anos de 2010-2011 foram avaliados 179; 78 indivíduos foram avaliados nos dois momentos da pesquisa. Utilizou-se um formulário padrão para coleta dos dados. A coleta das medidas antropométricas seguiu os procedimentos recomendados pela World Health Organization em 1995. Na mensuração da composição corporal, foi utilizado aparelho de impedância bioelétrica modelo tetrapolar. Para identificação da SM e de seus componentes, foram adotados os critérios diagnósticos propostos, por Alberti e colaboradores em 2009. A síndrome metabólica foi definida pela presença concomitante de pelo menos três alterações metabólicas: obesidade central, intolerância a glicose, hipertensão arterial, hipertrigliceridemia ou baixo HDL colesterol. O programa Stata foi adotado em todas as etapas da análise. Resultados: A avaliação realizada, em 2010-2011, possibilitou a identificação de uma população que se encontra em elevado risco metabólico e cardiovascular, uma vez que se constatou 30,7% de SM. A comparação dos dados de 1999-2000 com os de 2010-2011 evidenciou deterioração no perfil das morbidades relacionadas à SM, sendo que os principais prejuízos verificados foram o aumento das prevalências de excesso de peso de 37,2% para 48,0%; de hipertensão arterial de 3,6% para 25,1%; de diabetes mellitus de 1,3% para 3,9%; e de hiperuricemia de 5,2% para 15,1%. No que se refere à composição corporal, os dados sugerem que a presença de excesso de peso esteja associada à maior quantidade de massa muscular. A avaliação, concomitante, de alguns indivíduos possibilitou ainda identificar, em 10 anos de seguimento, a incidência acumulada de 37,5% de SM; 47,4% de hipertrigliceridemia; 38,9% de hipertensão arterial (HA); 32,0% de obesidade central; 30,4% de excesso de peso; 29,1% de hipercolesterolemia; 25,0% de baixo HDLc; 10,4% de elevado LDLc; e 2,9% de diabetes mellitus (DM). A idade se mostrou um fator de risco para incidência de HA, DM e elevado LDLc, independente do sexo; ser do sexo masculino foi fator de proteção para incidência de obesidade central, independente da idade. Conclusões: Identificou-se deterioração de grande parte dos indicadores de saúde avaliados, estando os Khisêdjê expostos a elevado risco cardiometabólico. Esse resultado pode estar relacionado a alterações no estilo de vida tradicional.
Assunto indigenous people
metabolic syndrome x
bioelectrical impedance
incidence
non communicable chronic diseases
indígenas
síndrome x metabólica
impedância bioelétrica
incidência
doenças crônicas não transmissíveis
Idioma Português
Data 2014-09-16
Publicado em MAZZUCCHETTI, Lalucha. Síndrome metabólica na população khisêdjê, residente no Parque Indígena do Xingu - Brasil Central: mudanças no período de 1999-2000 a 2010-2011. 2014. 167 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.
Linha de pesquisa Saúde coletiva
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 167 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1514610
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47048

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)