Emergências hipertensivas

Emergências hipertensivas

Título alternativo Hypertensive emergencies
Autor Feitosa-Filho, Gilson Soares Google Scholar
Lopes, Renato Delascio Autor UNIFESP Google Scholar
Poppi, Nilson Tavares Google Scholar
Guimarães, Hélio Penna Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Santa Casa de Misericórdia da Bahia Hospital Santa Izabel Clínica Médica e de Cardiologia
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Duke University Duke Clinical Research Institute
Universidade de São Paulo (USP)
Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Divisão de Pesquisa
Resumo Emergencies and hypertensive crises are clinical situations which may represent more than 25% of all medical emergency care. Considering such high prevalence, physicians should be prepared to correctly identify these crises and differentiate between urgent and emergent hypertension. Approximately 3% of all visits to emergency rooms are due to significant elevation of blood pressure. Across the spectrum of blood systemic arterial pressure, hypertensive emergency is the most critical clinical situation, thus requiring special attention and care. Such patients present with high blood pressure and signs of acute specific target organ damage (such as acute myocardial infarction, unstable angina, acute pulmonary edema, eclampsia, and stroke). Key elements of diagnosis and specific treatment for the different presentations of hypertensive emergency will be reviewed in this article. The MedLine and PubMed databases were searched for pertinent abstracts, using the key words hypertensive crises and hypertensive emergencies. Additional references were obtained from review articles. Available English language clinical trials, retrospective studies and review articles were identified, reviewed and summarized in a simple and practical way. The hypertensive crisis is a clinical situation characterized by acute elevation of blood pressure followed by clinical signs and symptoms. These signs and symptoms may be mild (headache, dizziness, tinnitus) or severe (dyspnea, chest pain, coma or death). If the patient presents with mild symptoms, but without acute specific target organ damage, diagnosis is hypertensive urgency. However, if severe signs and symptoms and acute specific target organ damage are present, then the patient is experiencing a hypertensive emergency. Some patients arrive at the emergency rooms with high blood pressure, but without any other sign or symptom. In these cases, they usually are not taking their medications correctly. Therefore, this is not a hypertensive crisis, but rather non-controlled chronic hypertension. This type of distinction is important for those working in emergency rooms and intensive care unit. Correct diagnosis must be made to assure the most appropriate treatment.

As urgências e as emergências hipertensivas são ocorrências clínicas que podem representar mais de 25% dos atendimentos a urgências médicas. O médico deverá estar habilitado a diferenciá-las, pois o prognóstico e o tratamento são distintos. Estima-se que 3% de todas as visitas às salas de emergência decorrem de elevações significativas da pressão arterial. Nos quadros relacionados a estes atendimentos, a emergência hipertensiva é a entidade clínica mais grave que merece cuidados intensivos. É caracterizada por pressão arterial marcadamente elevada e sinais de lesões de órgãos-alvo (encefalopatia, infarto agudo do miocárdio, angina instável, edema agudo de pulmão, eclâmpsia, acidente vascular encefálico). O objetivo deste estudo foi apresentar os principais pontos sobre o seu apropriado diagnóstico e tratamento. Foi realizada busca por artigos originais com os unitermos crise hipertensiva e emergência hipertensiva nas bases de dados Pubmed e MedLine nos últimos dez anos. As referências disponíveis destes artigos foram verificadas. Os artigos foram identificados e revisados e o presente estudo condensa os principais resultados descritos. Para esta revisão foram considerados ensaios clínicos em língua inglesa, estudos retrospectivos e artigos de revisão. A crise hipertensiva é a entidade clínica com aumento súbito da PA (> 180 x 120 mmHg), acompanhada por sintomas, que podem ser leves (cefaléia, tontura, zumbido) ou graves (dispnéia, dor precordial, coma e até morte), com ou sem lesão aguda de órgãos-alvo. Se os sintomas forem leves e sem lesão aguda de órgãos alvos, define-se a urgência hipertensiva. Se o quadro clínico apresentar risco de vida e refletir lesão aguda de órgãos-alvo têm-se, então, a emergência hipertensiva. Muitos pacientes também apresentam uma PA elevada demais, por não usarem suas medicações, tratando-se apenas de hipertensão arterial sistêmica crônica não controlada. Este conhecimento deve ser rotineiro ao emergencista e Intensivista no momento de decidir sobre a conduta.
Palavra-chave Emergencies
Hipertension
Emergências
Hipertensão
Idioma Português
Data de publicação 2008-09-01
Publicado em Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB, v. 20, n. 3, p. 305-312, 2008.
ISSN 0103-507X (Sherpa/Romeo)
Publicador Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Extensão 305-312
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2008000300014
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0103-507X2008000300014 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4530

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0103-507X2008000300014.pdf
Tamanho: 119.5KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta