Simplified flow cytometric assay to detect minimal residual disease in childhood with acute lymphoblastic leukemia

Simplified flow cytometric assay to detect minimal residual disease in childhood with acute lymphoblastic leukemia

Título alternativo Detecção de doença residual mínima em crianças com leucemia linfoblástica aguda por citometria de fluxo
Autor Delbuono, Elizabete Autor UNIFESP Google Scholar
Maekawa, Yumi Hasegawa Google Scholar
Latorre, Maria do Rosário Dias de Oliveira Google Scholar
Seber, Adriana Autor UNIFESP Google Scholar
Petrilli, Antonio Sergio Autor UNIFESP Google Scholar
Braga, Josefina Aparecida Pellegrini Autor UNIFESP Google Scholar
Lee, Maria Lúcia de Martino Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Centro de Medicina Diagnóstica Fleury
Universidade de São Paulo (USP)
Resumo The detection of minimal residual disease (MRD) is an important prognostic factor in childhood acute lymphoblastic leukemia (ALL) providing crucial information on the response to treatment and risk of relapse. However, the high cost of these techniques restricts their use in countries with limited resources. Thus, we prospectively studied the use of flow cytometry (FC) with a simplified 3-color assay and a limited antibody panel to detect MRD in the bone marrow (BM) and peripheral blood (PB) of children with ALL. BM and PB samples from 40 children with ALL were analyzed on days (d) 14 and 28 during induction and in weeks 24-30 of maintenance therapy. Detectable MRD was defined as > 0.01% cells expressing the aberrant immunophenotype as characterized at diagnosis among total events in the sample. A total of 87% of the patients had an aberrant immunophenotype at diagnosis. On d14, 56% of the BM and 43% of the PB samples had detectable MRD. On d28, this decreased to 45% and 31%, respectively. The percentage of cells with the aberrant phenotype was similar in both BM and PB in T-ALL but about 10 times higher in the BM of patients with B-cell-precursor ALL. Moreover, MRD was detected in the BM of patients in complete morphological remission (44% on d14 and 39% on d28). MRD was not significantly associated to gender, age, initial white blood cell count or cell lineage. This FC assay is feasible, affordable and readily applicable to detect MRD in centers with limited resources.

A detecção de doença residual mínima (DRM) é um importante fator prognóstico na leucemia linfóide aguda (LLA) infantil e fornece informações sobre a resposta ao tratamento e o risco de recaída. Entretanto, os altos custos das técnicas utilizadas limitam seu uso nos países em desenvolvimento. Desta forma, realizamos um estudo prospectivo para avaliar a citometria de fluxo (CF), utilizando três fluorescências e um painel limitado de anticorpos monoclonais, como método de detecção de DRM em medula óssea (MO) e sangue periférico (SP) de crianças com LLA. Amostras de MO e SP de 40 crianças portadoras de LLA foram analisadas nos dias (d)14 e d28 da indução e nas semanas 24-30 da terapia de manutenção. Foram consideradas como DRM+ as amostras que apresentaram > 0,01% das células com o fenótipo aberrante (FA). Oitenta e sete por cento dos pacientes apresentaram FA ao diagnóstico. No d14, 56% das amostras de MO e 43% do SP apresentaram DRM. No d28, foi detectada DRM em 45% e 31% das amostras de MO e SP, respectivamente. A porcentagem de DRM na MO foi similar à do SP nos casos de LLA-T, mas aproximadamente dez vezes maior na LLA de precursor-B. Foi detectada DRM na MO de 44% e 39% dos pacientes que estavam remissão morfológica nos d14 e d28, respectivamente. Não foi demonstrada associação significante entre a presença de DRM e sexo, idade, leucometria inicial e linhagem celular. Esta técnica de detecção de DRM por CF é relativamente barata e pode ser aplicada em centros com recursos limitados.
Assunto Minimal residual disease
acute lymphoblastic leukemia
flow cytometry
children
peripheral blood
Doença residual mínima
leucemia linfóide aguda
citometria de fluxo
criança
sangue periférico
Idioma Inglês
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Data 2008-08-01
Publicado em Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular, v. 30, n. 4, p. 281-286, 2008.
ISSN 1516-8484 (Sherpa/Romeo)
Editor Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular
Extensão 281-286
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842008000400010
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-84842008000400010 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4491

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1516-84842008000400010.pdf
Tamanho: 418.3Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)