Are distal radius fracture classifications reproducible? Intra and interobserver agreement

Are distal radius fracture classifications reproducible? Intra and interobserver agreement

Título alternativo As classificações das fraturas do rádio distal são reprodutíveis? Concordância intra e interobservadores
Autor Belloti, Joao Carlos Autor UNIFESP Google Scholar
Tamaoki, Marcel Jun Sugawara Autor UNIFESP Google Scholar
Franciozi, Carlos Eduardo da Silveira Autor UNIFESP Google Scholar
Santos, João Baptista Gomes dos Autor UNIFESP Google Scholar
Balbachevsky, Daniel Autor UNIFESP Google Scholar
Chap, Eduardo Chap Autor UNIFESP Google Scholar
Albertoni, Walter Manna Autor UNIFESP Google Scholar
Faloppa, Flávio Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo CONTEXT AND OBJECTIVE: Various classification systems have been proposed for fractures of the distal radius, but the reliability of these classifications is seldom addressed. For a fracture classification to be useful, it must provide prognostic significance, interobserver reliability and intraobserver reproducibility. The aim here was to evaluate the intraobserver and interobserver agreement of distal radius fracture classifications. DESIGN AND SETTING: This was a validation study on interobserver and intraobserver reliability. It was developed in the Department of Orthopedics and Traumatology, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Escola Paulista de Medicina. METHOD: X-rays from 98 cases of displaced distal radius fracture were evaluated by five observers: one third-year orthopedic resident (R3), one sixth-year undergraduate medical student (UG6), one radiologist physician (XRP), one orthopedic trauma specialist (OT) and one orthopedic hand surgery specialist (OHS). The radiographs were classified on three different occasions (times T1, T2 and T3) using the Universal (Cooney), Arbeitsgemeinschaft für Osteosynthesefragen/Association for the Study of Internal Fixation (AO/ASIF), Frykman and Fernández classifications. The kappa coefficient (κ) was applied to assess the degree of agreement. RESULTS: Among the three occasions, the highest mean intraobserver k was observed in the Universal classification (0.61), followed by Fernández (0.59), Frykman (0.55) and AO/ASIF (0.49). The interobserver agreement was unsatisfactory in all classifications. The Fernández classification showed the best agreement (0.44) and the worst was the Frykman classification (0.26). CONCLUSION: The low agreement levels observed in this study suggest that there is still no classification method with high reproducibility.

CONTEXTO E OBJETIVO: Para que as classificações das fraturas possam ser úteis, elas devem prover o prognóstico, apresentar concordância interobservador e reprodutibilidade intraobservador. O objetivo foi avaliar a concordância intra e interobservadores das classificações das fraturas do rádio distal. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo de validação (concordância intra e interobservadores), desenvolvido no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM), São Paulo, Brasil. MÉTODO: Foram avaliadas 90 fraturas do rádio distal com desvio por meio de radiografias por cinco observadores (um médico residente de Ortopedia do terceiro ano, um graduando do sexto ano de medicina, um médico radiologista, um ortopedista especializado em trauma e um ortopedista especializado em cirurgia da mão) em três momentos diferentes, empregando as classificações Universal (Cooney), AO/ASIF (Osteosynthesfragen/Association for the Study of Internal Fixation), Frykman e Fernández. Aplicou-se o coeficiente de concordância kappa (κ) para avaliação das classificações. RESULTADOS: O maior κ intraobservador médio, se considerarmos os três momentos, foi da classificação Universal (κ = 0,61), seguida da Fernández (κ = 0,59), Frykman (κ = 0,55) e AO/ASIF (κ = 0,49). A concordância interobservador foi insatisfatória em todas as classificações. A classificação de Fernández mostrou a melhor concordância (κ = 0,44) e a pior foi a de Frykman (κ = 0,26). CONCLUSÃO: Os baixos níveis de concordância observados neste estudo sugerem que atualmente ainda não há um método de classificação plenamente reprodutível.
Palavra-chave Colles' fracture
Radius fractures
Classification
Reproducibility of results
Validation studies
Fratura de Colles
Fraturas do rádio
Classificação
Reprodutibilidade dos testes
Estudos de validação
Idioma Inglês
Data de publicação 2008-05-01
Publicado em BELLOTI, João Carlos et al . Are distal radius fracture classifications reproducible? Intra and interobserver agreement. Sao Paulo Med. J., São Paulo , v. 126, n. 3, p. 180-185, maio 2008
ISSN 1516-3180 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Associação Paulista de Medicina - APM
Extensão 180-185
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802008000300008
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000259055600008
SciELO S1516-31802008000300008 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4367

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1516-31802008000300008.pdf
Tamanho: 162.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta