Estudo do desvio rotacional da tíbia

Estudo do desvio rotacional da tíbia

Título alternativo Study of the tibial rotational deviation
Autor Labronici, Pedro José Google Scholar
Franco, José Sergio Google Scholar
Lourenço, Paulo Roberto Barbosa De Toledo Google Scholar
Tevês, André Do Vale Google Scholar
Saturnino, Ubiratan Stefani De Oliveira Google Scholar
Hoffmann, Rolix Google Scholar
Reis, Fernando Baldy dos Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Hospital Santa Teresa Prof. Dr. Donato D'Ângelo Serviço de Ortopedia e Traumatologia
UFRJ Faculdade de Medicina
Hospital de Ipanema
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: to evaluate the postoperative rotational deviation of diaphyseal tibial fractures in patients treated with non-reamed, interlocking intramedullary nailing and bridge plate, using computerized tomography for measurement. METHOD: one hundred and thirteen patients with diaphyseal tibial fractures were treated; 42 fractures were treated with non-reamed, interlocking intramedullary nailing, and 71 fractures were treated with bridge plate. Tibial rotation measurements were obtained by using the CT scan. All of the fractures were classified by the AO scale, by their presentation (closed and open) and the percentage of deviation on internal and external rotation. RESULTS: no significant difference in tibial rotation was found as a function of fracture location, internal or external rotation, and types A or B of fractures. However, in the case of type C fractures and open fractures, the treatment with non-reamed, interlocking intramedullary nailing resulted in a much smaller rotation in comparison to the treatment with bridge plate (p = 0.028 and p = 0.05, respectively). CONCLUSIONS: rotational deviations, regardless of the location of the diaphyseal tibial fractures, are associated to the trauma energy, thus presenting a greater challenge to control it by using the bridge plate.

OBJETIVO: avaliar o desvio rotacional pós-operatório das fraturas diafisárias da tíbia de pacientes tratadas com haste intramedular bloqueada não-fresada e placa em ponte, utilizando a tomografia computadorizada. MÉTODOS: foram tratados 113 pacientes com fraturas diafisárias da tíbia, sendo que em 42 fraturas os autores utilizaram haste intramedular bloqueada e em 71 foram utilizadas placa em ponte. O método tomográfico utilizado ara se obter as medidas da rotação tibial. Foi empregada a classificação AO das fraturas; à exposição: fechadas e expostas e a percentagem de desvios em rotação interna e externa. RESULTADOS: foi demonstrado não haver diferença significativa de rotação tibial nos seguintes parâmetros analisados: localização, rotação interna ou externa e nos tipos A e B da classificação AO. Porém, nas fraturas do tipo C e nas fraturas expostas, a haste intramedular bloqueada apresentou diferença rotacional significativamente menor (p = 0,028) e (p = 0,05), quando comparada à placa em ponte. CONCLUSÃO: independente da localização das fraturas diafisárias da tíbia, os desvios rotacionais estão relacionados à energia do trauma, apresentando uma maior dificuldade de controle com a técnica placa em ponte.
Palavra-chave Tibia
Tomography X-Ray
Fracture fixation intramedullary
Tíbia
Tomografia computadorizada por Raios X
Fixação intramedular de fraturas
Idioma Português
Data de publicação 2008-01-01
Publicado em Acta Ortopédica Brasileira. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, v. 16, n. 5, p. 287-290, 2008.
ISSN 1413-7852 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
Extensão 287-290
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1413-78522008000500007
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1413-78522008000500007 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4139

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1413-78522008000500007.pdf
Tamanho: 182.8KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta