Medicamentos genéricos no tratamento das epilepsias: uma reflexão

Medicamentos genéricos no tratamento das epilepsias: uma reflexão

Título alternativo Generics in the treatment of epilepsy: a reflection
Autor Yacubian, Elza Márcia Targas Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: We discuss some controversial aspects with prescription of generic drugs (GD) and the problems concerning bioequivalence in the treatment of epilepsy. Some antiepileptic drugs (AED) are poorly soluble in water, have nonlinear kinetics and a narrow therapeutic range, implying that problems with bioequivalence are likely to occur. There are clearly advantages (cost saving) and disadvantages (loss of seizure control or drug toxicity) in prescribing generics AED. METHODS: Review of literature. RESULTS AND CONCLUSION: The main information is about classical AED (phenytoin, carbamazepine and valproate). Regarding the new AED we found only one poster presentation related to lamotrigine substitution. The level of evidence is, generally, weak, based on case-series and expert opinion without explicit critical appraisal (except in phenytoin with level of evidence moderate, based on some analytical studies). We may allow the use of generics for epilepsy treatment. However, this opens the possibility of successive substitution of different formulations which may even be life threatening.

OBJETIVOS: Discutimos aspectos controversos para a prescrição de medicamentos genéricos no tratamento das epilepsias e problemas relacionados à biodisponilidade e bioequivalência. Algumas drogas antiepilépticas (DAE) apresentam baixa solubilidade em água, apresentam cinética não linear e faixa terapêutica estreita, dados sugestivos da ocorrência de problemas relacionados à bioequivalência. MÉTODOS: Revisão da literatura. RESULTADOS E CONCLUSÕES: Há mais informações sobre as DAE tradicionais (fenitoína, carbamazepina e valproato) e apenas uma comunicação em congresso foi encontrada sobre a substituição de uma nova DAE, a lamotrigina. O nível de evidência é fraco, baseado em séries de casos e opinião de especialistas, com exceção talvez da fenitoína para a qual há alguns estudos analíticos. Podemos permitir o uso de genéricos para o tratamento das epilepsias, desde que tenhamos em mente que este abrirá a possibilidade de substituições sucessivas de formulações durante o tratamento, com conseqüências imprevisíveis como a recorrência de crises e suas conseqüências ou o aparecimento de efeitos adversos.
Palavra-chave generics
bioequivalence
bioavailability
interchangeability
medicamentos genéricos
bioquivalência
biodisponibilidade
intercambialidade
Idioma Português
Data de publicação 2007-09-01
Publicado em Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology. Liga Brasileira de Epilepsia (LBE), v. 13, n. 3, p. 127-130, 2007.
ISSN 1676-2649 (Sherpa/Romeo)
Publicador Liga Brasileira de Epilepsia (LBE)
Extensão 127-130
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1676-26492007000300007
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1676-26492007000300007 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3922

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1676-26492007000300007.pdf
Tamanho: 78.77KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta