Efeitos da oxigenoterapia hiperbárica e do sulfato de condroitina-A associado ao sulfato de glucosamina na reparação óssea de coelhos

Efeitos da oxigenoterapia hiperbárica e do sulfato de condroitina-A associado ao sulfato de glucosamina na reparação óssea de coelhos

Alternative title Effects of the hyperbaric oxigenotherap and of chondroitin sulfate her associate to glucosamine sulfate in the bony reparation of rabbits
Author Moreira, Márcia Bento Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Gomes, Paulo de Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Ciência cirúrgica interdisciplinar
Abstract Objetivo: Estudar o hemograma e avaliar radiológica e morfológicamente a reparação do calo ósseo após a lesão na diáfise femural de coelhos. Métodos: foram utilizados 48 coelhos independentes do sexo, Nova Zelândia, onde estes foram anestesiados e submetidos à ostectomia do côndilo femoral medial direito e osteossíntese, randomizados e distribuídos em 4 grupos (n = 12 em cada): Grupo Controle (I), Grupo Sulfato de Condroitina-A associado ao Sulfato de Glucosamina (II), sendo que a aplicação de Sulfato de Condroitina-A associado ao Sulfato de Glucosamina (2mL.10Kg -1 ) iniciou no pós-operatório imediato seguido de aplicações a cada 3 dias; Grupo Oxigenoterapia Hiperbárica (III): com sessões diárias (3 ATA durante 130 minutos, sendo 90 minutos de pressão absoluta) iniciadas no primeiro dia de pós-operatório; Grupo Sulfato de Condroitina-A associado ao Sulfato de Glucosamina e Oxigenoterapia Hiperbárica (IV). Os animais foram eutanasiados após 2 (n=6 de cada grupo) e 6 semanas (n=6 de cada grupo) de pós-operatório. Resultados: Diferenças significantes foram encontradas entre os grupos de 2 e 6 semanas de pós-operatório, quanto à média do comprimento do calo ósseo nos grupos: I (p = 0,001), II (p = 0,012) e IV (p = 0,001). A comparação entre os quatro grupos após 2 semanas mostrou diferença significante (p < 0,001), onde o grupo I apresentou média de comprimento caloso menor que os grupos II (p = 0,001), III (p = 0,001) e IV (p = 0,008), de maneira significante. Os demais grupos não se diferenciaram de forma significante (p > 0,05) nas demais comparações. Entretanto, após 6 semanas a comparação entre os quatro grupos mostrou diferença significante onde: o grupo I apresentou média de comprimento menor que os grupos III (p = 0,006) e IV (p < 0,001); o grupo II apresentou média de comprimento menor que os grupos III (p = 0,001) e IV (p < 0,001). Os demais grupos não se diferenciaram de forma significante (p > 0,05) nas demais comparações. Nos achados radiológicos de até duas semanas encontramos uma formação calosa rápida nos grupos que receberam oxigenoterapia hiperbárica (83% dos animais do grupo III) isoladamente ou em associação com o sulfato de condroitina-a associado ao sulfato de glucosamina (33% dos animais do grupo IV) quando comparados ao grupo controle. Já com seis semanas esta diferença diminui, mas ainda o grupo III (83%) apresenta um maior número de animais com formação calosa do que no grupo IV (67%). Sendo que os resultados radiológicos mostram a possibilidade de uma melhor ação da oxigenoterapia hiperbárica (83% dos animais) de forma isolada, pois quando comparada com o grupo II isolado (67% dos animais) ainda sugere uma superioridade na formação calosa mais rápida ao término do período precoce. Não foram encontradas alterações nos parâmetros hematológicos com as intervenções utilizadas. Conclusões: A oxigenoterapia hiperbárica e o sulfato de condroitina-a associado ao sulfato de glucosamina, isoladas ou em associação promovem aumento do calo ósseo e não promovem alterações nos parâmetros hematológicos dos animais nos tempos estudados.

Objective: This study aimed at analyzing blood count and radiologically and morphologically evaluating bone callus repair after femoral diaphysis injury in rabbits. Methods: This study involved 48 New Zealand rabbits of both genders, anesthetized and submitted to right medial femoral condyle ostectomy and to osteosynthesis, which were randomly distributed in four groups of 12 animals: Control Group (I), Group Chondroitin-A sulfate associated to Glucosamine sulfate (II), in which Chondroitin-a sulfate associated to Glucosamine sulfate (2mL.10Kg -1 ) was started in the immediate postoperative period followed by applications every 3 days; Group Hyperbaric Oxygen therapy (III) with daily sessions (3 ATA during 130 minutes with 90 minutes of absolute pressure) started in the first postoperative day; Group Chondroitin-A sulfate associated to Glucosamine sulfate and to Hyperbaric Oxygen therapy (IV). Animals were sacrificed after 2 (n= 6 for each group) and 6 postoperative weeks (n=6 for each group). Results: There have been significant differences between 2 and 6 postoperative week groups in mean bone callus length: I (p = 0.001), II (p = 0.012) and IV (p = 0.001). Comparison of the four groups 2 weeks later has shown significant difference (p < 0.001) with shorter bone callus in group I as compared to groups II (p = 0.oo1), III (p = 0.001) and IV (p = 0.008). Other groups were not significantly different (p > 0.05) in remaining comparisons. However, comparison among the four groups 6 weeks later has shown significant differences: Group I had shorter mean length as compared to groups III (p = 0.006) and IV (p < 0.001). Other groups were not significantly different (p > 0.05) in remaining comparisons. Radiological findings until 2 weeks have shown fast callous formation in groups receiving hyperbaric oxygen therapy alone (83% of group III animals), or associated to chondroitin-A sulfate and glucosamine sulfate (33% of Group IV animals) as compared to control group. This difference has decreased at six weeks, but group III (835) still had a higher number of animals with callous formation as compared to group IV (67%). Radiological findings have shown the possibility of a better action of hyperbaric oxygen therapy alone (83% of animals) because, as compared to group II (67%) of animals) it still suggests a faster callous formation at the end of the early period. There have been no hematological changes with these interventions. Conclusions: Hyperbaric oxygen therapy and chondroitin-a sulfate associated to glucosamine sulfate, alone or in association, promote increased bone callus without hematological changes during the studied periods
Keywords Oxigenação hiperbárica
Fraturas do fêmur
Coelhos
Sulfato de condroitina
Remodelação óssea
Language Portuguese
Sponsor Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Date 2006
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Access rights Open access Open Access
Type Thesis
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/39215

Show full item record




File

Name: Publico-39215.pdf
Size: 4.625Mb
Format: PDF
Description:
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account