Adesão ao tratamento clínico no transtorno de personalidade borderline

Adesão ao tratamento clínico no transtorno de personalidade borderline

Título alternativo Compliance in the treatment of borderline personality disorders
Autor Tanesi, Patrícia Helena Vaz Autor UNIFESP Google Scholar
Yazigi, Latife Autor UNIFESP Google Scholar
Fiore, Maria Luiza De Mattos Autor UNIFESP Google Scholar
Pitta, Jose Cassio do Nascimento Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Compliance is a complex behavior, ranging from minor instances of treatment refusal to the inappropriate use of health services or even treatment abandonment. The study comprises a qualitative analysis of six patients with borderline personality disorder submitted to an open interview, a psychosocial questionnaire, a diagnostic classification through SCDI I and II and a clinical follow-up. Six behaviors made treatment compliance either difficult or impossible: impulsivity, manipulation, affective dissociation, attempted suicide, tendency to regression, and aggression. The participants who abandoned the treatment made the health team impotent, requiring social strategies to manage the situation. We hypothesized that healthy families are of great importance for compliance to treatment. For the cases in which treatment was not abandoned, non-compliance was manifested as attacks against the bonds and against the improvement, and aggression towards the health team and the institution.

Adesão é um comportamento complexo, envolve desde pequenas recusas ao tratamento até o uso inadequado dos serviços de saúde e abandono do tratamento. O presente trabalho é um estudo qualitativo com seis pacientes com transtorno de personalidade borderline sobre adesão ao tratamento, utilizando análise qualitativa em entrevista aberta, questionário psicossocial, classificação diagnóstica pela SCID I e II e acompanhamento clínico. Os resultados mostraram que impulsividade, manipulação, dissociação afetiva, tentativa de suicídio, tendência à regressão e agressividade dificultaram ou impossibilitaram a adesão ao tratamento. Concluímos que os casos que abandonaram o tratamento colocaram a equipe em uma situação de impotência e apelo para estratégias sociais como forma de manejo da situação. É levantada a hipótese de que familiares saudáveis podem ser importantes para a adesão ao tratamento. Nos casos que não abandonaram o acompanhamento, a não-adesão se manifestou como ataques ao vínculo, ataques a melhora, e agressividade voltada à equipe e à instituição.
Palavra-chave compliance to treatment
borderline personality disorder
impulsivity
aggression
adesão ao tratamento
transtorno de personalidade borderline
impulsividade
agressividade
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Data de publicação 2007-04-01
Publicado em Estudos de Psicologia (Natal). Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, v. 12, n. 1, p. 71-78, 2007.
ISSN 1413-294X (Sherpa/Romeo)
Publicador Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Extensão 71-78
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2007000100009
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1413-294X2007000100009 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3671

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1413-294X2007000100009.pdf
Tamanho: 181.6KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta