Depressão infantil: abordagem antropológica

Depressão infantil: abordagem antropológica

Título alternativo Child depression: anthropological approach
Autor Nakamura, Eunice Autor UNIFESP Google Scholar
Santos, José Quirino dos Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade de São Paulo (USP)
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: To understand the sociocultural meanings of childhood depression, from the medical-scientific concept of the disease. METHODS: This was a qualitative study carried out in the metropolitan region of São Paulo, State of São Paulo, Brazil, in 2003. It consisted of ethnographic observation and in-depth interviews with eight psychiatrists from a public health service and nine relatives (parents or guardians) of children who had been diagnosed with and were being treated for childhood depression. The analysis sought to identify categories that would make it possible to isolate different notions of the disease, as expressed in the discourse of these groups. RESULTS: Different notions of the disease were identified, in accordance with the cultural patterns of the discourse. For the psychiatrists, the concept of childhood depression was related to inappropriate child behavior, or bad functioning, which then had to be adjusted by medical intervention. For the relatives, childhood depression meant dissatisfaction and discomfort with life and intolerance of adults to child behavior. It was seen that the discourse of the psychiatrists and relatives interviewed showed great diversity of subjects, concepts and categories, according to the logic of their particular understandings and explanations for childhood depression. CONCLUSIONS: In the light of the results obtained, the phenomenon of childhood depression can be analyzed not as an event determined by medical-scientific knowledge, but as a dynamic process of creative reinvention of categories and concepts that are fundamental to this discourse. It is therefore concluded that childhood depression presents as a differentiated disease, in the form of a broad category that is capable of integrating different connotations and contexts under the same term.

OBJETIVO: Apreender significados socioculturais da depressão infantil, a partir da noção médico-científica da doença. MÉTODOS: Pesquisa qualitativa realizada em 2003, na região metropolitana de São Paulo, SP, Brasil. Utilizou-se a observação etnográfica e entrevistas em profundidade com oito médicos psiquiatras de um serviço público de saúde e nove familiares (pais ou responsáveis) de crianças com diagnóstico e em tratamento de depressão infantil. Na análise, buscou-se identificar categorias que permitissem isolar diferentes noções de doença expressas nos discursos desses grupos. RESULTADOS: Foram identificadas diferentes noções da doença, de acordo com padrões culturais dos discursos. Para os psiquiatras, a noção de depressão infantil referiu-se a comportamentos infantis inadequados, ou mau funcionamento, os quais devem ser ajustados pela intervenção médica. Para os familiares, significou insatisfação e incômodo diante da vida e intolerância de adultos frente a certos comportamentos infantis. Observou-se que os discursos dos médicos psiquiatras e dos familiares entrevistados mostraram diversidade quanto aos seus conteúdos, conceitos e categorias, segundo lógicas próprias de compreensão e de explicação da depressão infantil. CONCLUSÕES: Diante dos resultados obtidos, o fenômeno da depressão infantil passa a ser analisado não como evento determinado pelo conhecimento médico-científico, mas como um processo dinâmico de reinvenção criadora de categorias e conceitos fundamentais desse discurso. Concluiu-se, portanto, que a depressão infantil apresentou-se como doença diferenciada, na forma de uma categoria ampla, capaz de integrar diferentes conotações e contextos sob um mesmo termo.
Palavra-chave Anthropology, cultural
Depression
Qualitative research
Mental health
Child welfare
Antropologia cultural
Depressão
Pesquisa qualitativa
Saúde mental
Bem-estar da criança
Idioma Português
Data de publicação 2007-02-01
Publicado em Revista de Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, v. 41, n. 1, p. 53-60, 2007.
ISSN 0034-8910 (Sherpa/Romeo)
Publicador Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Extensão 53-60
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006005000011
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0034-89102007000100008 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3533

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0034-89102007000100008.pdf
Tamanho: 352.5KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta