Definição do nível da junção ureterovesical pela tomografia computadorizada

Definição do nível da junção ureterovesical pela tomografia computadorizada

Título alternativo Definition of ureterovesical junction level by computed tomography
Autor Freire Filho, Edison de Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Leão, Alberto Ribeiro de Souza Autor UNIFESP Google Scholar
Capobianco, Júlia Autor UNIFESP Google Scholar
Szejnfeld, Jacob Autor UNIFESP Google Scholar
D'Ippolito, Giuseppe Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: To define, by means of computed tomography, the level of ureteral implantation into de bladder. MATERIALS AND METHODS: We have measured the distances from the ureteral meatus to the acetabulum, and to the superior margin of the pubic symphysis, as well as the bladder volume, using contrast enhanced computed tomography of the pelvis in 46 patients (31 male and 15 female) in the age range between 18 and 45 years, with at least one of the ureteres filled with excreted contrast material. The Student t test has been applied to determine eventual statistically significant differences between groups. RESULTS: The level of ureteral implantation into the bladder was, on average, 10.6 ± 8.1 mm below the acetabular roof, and 29.7 ± 9.5 mm above the superior margin of the pubic symphysis. In patients with bladder repletion volume of < 200 ml and > 200 ml, the level of ureteral implantation into the bladder was, respectively, on average, 11.6 ± 7.3 mm and 10.2 ± 8.4 mm below the acetabular roof (p = 0.61), and 28.3 ± 7.3 mm and 30.3 ± 10.2 mm above the superior margin of the pubic symphysis (p = 0.52), and in male and female men patients, respectively, on average, 11.8 ± 8.0 mm and 8.3 ± 8.0 mm below the acetabular roof (p = 0.17), and 27.7 ± 9.2 mm and 33.9 ± 8.8 mm above the superior margin of the pubic symphysis (p = 0.34). CONCLUSION: Calcifications located < 3 cm below the acetabular roof and < 1.5 cm above the superior margin of the pubic symphysis probably do not represent ureteral calculi. Vesical repletion or sex have no significant influence on the ureteral meatus position.

OBJETIVO: Definir o nível da implantação ureteral na bexiga através da tomografia computadorizada. MATERIAIS E MÉTODOS: Através de tomografia computadorizada da pelve com contraste endovenoso de 46 pacientes (31 homens e 15 mulheres) com idade entre 18 e 45 anos, com pelo menos um dos ureteres contrastado pelo contraste excretado, medimos as distâncias do meato ureteral até o teto acetabular e a borda superior da sínfise púbica, além do volume da bexiga. Utilizamos o teste t de Student para avaliar se houve diferenças estatísticas entre grupos. RESULTADOS: O nível da implantação ureteral na bexiga foi, em média, 10,6 ± 8,1 mm abaixo do teto acetabular e, em média, 29,7 ± 9,5 mm acima da borda superior da sínfise púbica. Nos pacientes com volume de repleção vesical menor que 200 ml e maior ou igual a 200 ml os níveis da implantação ureteral na bexiga foram, em média, 11,6 ± 7,3 mm e 10,2 ± 8,4 mm abaixo do teto acetabular (p = 0,61) e, em média, 28,3 ± 7,3 mm e 30,3 ± 10,2 mm acima da borda superior da sínfise púbica (p = 0,52), respectivamente, e nos pacientes do sexo masculino e feminino foram, em média, 11,8 ± 8,0 mm e 8,3 ± 8,0 mm abaixo do teto acetabular (p = 0,17) e, em média, 27,7 ± 9,2 mm e 33,9 ± 8,8 mm acima da borda superior da sínfise púbica (p = 0,34), respectivamente. CONCLUSÃO: Calcificações localizadas abaixo de 3 cm do teto acetabular e abaixo de 1,5 cm acima da borda superior da sínfise púbica provavelmente não representam cálculos ureterais. O grau de repleção vesical e o sexo não interferem significativamente na posição do meato ureteral.
Palavra-chave Calculus
Ureter
Ureteral obstruction
Lithiasis
X-ray computed tomography
Cálculo
Ureter
Obstrução ureteral
Litíase
Tomografia computadorizada por raios X
Idioma Português
Data de publicação 2006-12-01
Publicado em Radiologia Brasileira. Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, v. 39, n. 6, p. 419-423, 2006.
ISSN 0100-3984 (Sherpa/Romeo)
Publicador Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Extensão 419-423
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842006000600009
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-39842006000600009 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3375

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0100-39842006000600009.pdf
Tamanho: 279.5KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta