Valor da ressonância magnética no diagnóstico antenatal do acretismo placentário

Valor da ressonância magnética no diagnóstico antenatal do acretismo placentário

Título alternativo Value of magnetic resonance imaging in prenatal diagnosis of placental accretism
Autor Francisco, Viviane Vieira Autor UNIFESP Google Scholar
Goldman, Suzan Menasce Autor UNIFESP Google Scholar
Faria, Juliano Autor UNIFESP Google Scholar
Szejnfeld, Jacob Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo PURPOSE: to establish the main signs of placental accretism in magnetic resonance imaging (MRI) in patients with clinical suspicion and to estimate the benefit of this method. METHODS: prospective transversal study with 15 patients suspected of placental accretism, referred between March 2003 and February 2006. Gestational age varied from 20 to 31 weeks. All patients underwent MRI to study the placenta and had previously done an ultrasonography. Material was sent to histological study. MRI was done on Magnetom Impact and Sonata Maestro Class Siemens®, with acquired sequences HASTE, TURBO SPIN in axial, sagittal, coronal planes and echo gradient (GE®), pre- and post-dynamic contrast in the best plan for acquisition. Images were analyzed by a team of two radiologists. RESULTS: mean gestational age was 24.3 weeks. We studied seven placenta previa (47%), six anterior placentas (40%) and two posterior placentas (13%). Ultrasonography was positive in 80% of the palcentas and MRI in 53%. However, echography had a low concordance with anatomic pathological studies by Kappa test (11%), revealing 75% of sensitivity, 14% of specificity, 50% as positive predictive value (PPV) and 33% as negative predictive value (NPV). MRI had an excellent concordance with anatomic pathological studies (0.86), showing 100% of sensitivity, 86% of specificity, 89% as PPV and 100% as NPV. CONCLUSIONS: MRI is useful for placental accretism diagnosis. The principal findings are transmural hyper-signal, the loss of continuity in myometrial wall in fast sequences and the identification of vessels invading myometrial layer in dynamic sequences.

OBJETIVOS: estabelecer os principais sinais de acretismo placentário na ressonância magnética (RM) em gestantes com suspeita clínica e avaliar a utilidade do método. MÉTODOS: estudo prospectivo, transversal em 15 pacientes com suspeita de acretismo placentário. O período compreendido foi de março de 2003 a fevereiro de 2006. A idade gestacional variou de 20 a 31 semanas. Todas as pacientes realizaram RM com estudo dirigido para placenta e haviam sido submetidas à ultra-sonografia (US) prévia ao exame. Todas as peças foram encaminhadas para estudo anátomo-patológico (AP). Os exames foram realizados nos equipamentos Magnetom Impact e Sonata Maestro Class Siemens®, adquiridas as seqüências HASTE, TURBO FISP, nos planos axial, sagital e coronal e gradiente echo (GE®) pré- e pós- contraste dinâmico no melhor plano de aquisição. A análise das imagens foi realizada por dois radiologistas em consenso. RESULTADOS: a idade gestacional média das pacientes foi de 24,3 semanas. Foram estudadas sete placentas prévias centro-totais (47%), seis placentas corporais anteriores (40%) e duas placentas corporais posteriores (13%). A US foi positiva em 80% dos casos e a RM em 53% dos casos. No entanto, a US apresentou concordância fraca com o AP pelo teste de kappa (11%), com sensibilidade de 75%, especificidade de 14%, valor preditivo positivo (VPP) de 50% e valor preditivo negativo (VPN) de 33%. Já a RM teve concordância excelente com o AP (0,86), com sensibilidade de 100%, especificidade de 86% , VPP de 89% e VPN de 100%. CONCLUSÃO: a RM é útil na identificação do acretismo placentário. Os principais sinais na RM do acretismo placentário são: o hipersinal transmural, a descontinuidade da parede miometrial nas seqüências rápidas e a identificação dos vasos invadindo o miométrio nas seqüências dinâmicas.
Palavra-chave Placenta accreta
Magnetic resonance imaging
Placenta acreta
Imagem por ressonância magnética
Idioma Português
Data de publicação 2006-12-01
Publicado em Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia, v. 28, n. 12, p. 700-707, 2006.
ISSN 0100-7203 (Sherpa/Romeo)
Publicador Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Extensão 700-707
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032006001200003
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-72032006001200003 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3374

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0100-72032006001200003.pdf
Tamanho: 1.548MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta