Dopplervelocimetria do ducto venoso na predição da acidemia fetal

Dopplervelocimetria do ducto venoso na predição da acidemia fetal

Título alternativo Ductus venosus Doppler velocimetry to predict acidemia at birth in pregnancies with placental insufficiency
Autor Carvalho, Francisco Herlânio Costa Autor UNIFESP Google Scholar
Moron, Antonio Fernandes Autor UNIFESP Google Scholar
Mattar, Rosiane Autor UNIFESP Google Scholar
Santana, Renato Martins Autor UNIFESP Google Scholar
Murta, Carlos Geraldo V. Autor UNIFESP Google Scholar
Barbosa, Maurício Mendes Autor UNIFESP Google Scholar
Torloni, Maria Regina Autor UNIFESP Google Scholar
Kulay Junior, Luiz Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Federal do Ceará Maternidade-Escola Assis Chateaubriand
Resumo OBJETIVES: To investigate the possibility of predicting acidemia at birth in pregnancies with placental insufficiency by Doppler velocimetry of the ductus venosus and to establish the best parameter and cut-off points in this prediction. METHODS: This was a prospective cross-sectional study, involving 47 single pregnancies with placental insufficiency after 26 weeks of gestation, carried out at the Hospital São Paulo (UNIFESP) and Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (UFC). Placental insufficiency was defined as the umbilical artery pulsatility index above the 95th percentile for gestational age. Fetuses with chromosomal or structural anomalies were excluded. The time interval between the Doppler velocimetry and the birth was of less than 24 hours. The umbilical arterial blood samples were collected immediately after birth. Acidemia was defined as umbilical arterial pH < 7.2 in the absence of uterine contractions and < 7.15 in the presence of contractions. Metabolic or mixed acidemia at birth was considered pathological. Receiver operating characteristics (ROC) curves were calculated for S, D and A-velocities, pulsatility index for veins and the S/A ratio and (S-A)/S ratio of the ductus venosus. Parameters were compared using the MacNemar Test RESULTS: S, D and A-velocities of the ductus venosus were poor predictors of acidemia at birth. The pulsatility index for veins (area under the curve 0.79, p=0.003), S/A ratio and (S-A)/S ratio (area under the curve 0.818, p=0.001) of the DV were strongly related to fetal acidemia. The cut-off points calculated were: pulsatility index for veins = 0.76; S/A ratio = 2.67 and (S-A)/S ratio = 0.63. CONCLUSIONS: The angle-independent indices of the DV Doppler are adequate for the diagnosis of fetal acidemia in gestations with placental insufficiency. No statistically significant differences were observed between these parameters.

OBJETIVOS: Investigar a possibilidade da predição da acidemia no nascimento mediante dopplervelocimetria do ducto venoso e definir qual o melhor parâmetro e seus pontos de corte nessa predição em gestações com insuficiência placentária. MÉTODOS: Trata-se de estudo transversal e prospectivo que analisou 47 gestações únicas com insuficiência placentária e idade gestacional superior a 26 semanas, realizado no Hospital São Paulo (UNIFESP) e na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (UFC). A insuficiência placentária foi diagnosticada quando o índice de pulsatilidade da artéria umbilical encontrava-se acima do percentil 95 para a idade gestacional estimada. Fetos com anomalias estruturais ou cromossômicas foram excluídos. O doppler foi realizado a menos de 24 horas do parto. A amostra de sangue da artéria umbilical foi coletada imediatamente após o nascimento para análise da gasometria. Diagnosticou-se acidemia quando o pH encontrava-se abaixo de 7,20 na ausência de trabalho de parto e abaixo de 7,15 quando parto vaginal. Foram consideradas patológicas as acidemias metabólicas ou mistas. Construiu-se curva ROC para as velocidades S, D e A e para o IPV e as relações S/A e (S-A)/S do DV (variáveis independentes) e acidemia (variável dependente). O teste de MacNemar foi utilizado para comparar os parâmetros entre si. RESULTADOS: As velocidades absolutas S, D e A mostraram ser pobres preditoras da acidemia no nascimento. O IPV mostrou ser bom preditor de acidemia (área sob a curva ROC 0,79, p=0,003). As relações S/A e (S-A)/S também mostraram ser boas preditoras da acidemia (área sob a curva ROC 0,818, p=0,001). Os pontos de corte calculados foram: IPV = 0,76, S/A = 2,67 e (S-A)/S = 0,63. CONCLUSÕES: Os índices ângulo-independentes do doppler do DV mostraram excelente correlação com acidemia no nascimento nesta população. Não houve diferença estatisticamene significativa entre estes parâmetros.
Palavra-chave Doppler velocimetry
Ductus venosus
Fetal acidemia
Dopplervelocimetria
Ducto venoso
Acidemia fetal
Idioma Português
Data de publicação 2005-08-01
Publicado em Revista da Associação Médica Brasileira. Associação Médica Brasileira, v. 51, n. 4, p. 221-227, 2005.
ISSN 0104-4230 (Sherpa/Romeo)
Publicador Associação Médica Brasileira
Extensão 221-227
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302005000400019
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0104-42302005000400019 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/2604

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0104-42302005000400019.pdf
Tamanho: 77.80KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta