Influência da pleurotomia na função pulmonar após cirurgia de revascularização do miocárdio sem circulação extracorpórea

Influência da pleurotomia na função pulmonar após cirurgia de revascularização do miocárdio sem circulação extracorpórea

Título alternativo Influence of pleurotomy on the pulmonary function after off pump coronary artery bypass grafting
Autor Guizilini, Solange Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Gomes, Walter José Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Avaliar a influência da pleurotomia na função pulmonar em pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio, utilizando enxerto de artéria torácica interna esquerda (ATIE) sem circulação extracorpórea (CEC). Métodos: Trinta pacientes foram alocados prospectivamente em dois grupos: grupo PA (n=15 pacientes com abertura da cavidade pleural esquerda); grupo PI (n=15 pacientes com a cavidade pleural intacta). Todos os pacientes foram submetidos à avaliação da função pulmonar. Registros espirométricos da capacidade vital forçada (CVF) e do volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) foram obtidos no pré-operatório, 1°, 3° e 5° dias de pós-operatório (PO). Os gases sangüíneos arteriais, a relação Pa02/Fi02 e a P(A-a)02 foram avaliadas no pré-operatório e no 1° dia de PO. A sensação de dor foi quantificada por um escore padrão (zero a 10) no 1 ° dia de PO. Resultados: Uma diminuição significante da CVF e VEF1 foi observada em ambos os grupos até o 5° dia de PO (p < 0,05). Quando comparados em percentual do valor pré-operatório, a CVF foi significantemente menor no grupo PA do que no grupo PI: 1° PO (33,37 ± 8,34% vs 49,10 ± 8,45%, P < 0,001), 3° PO (45,42 ± 7,06% vs 62,10 ± 8,59%, P < 0,001) e 5° PO (56,13 ± 8,70% vs 77,56 ± 11,61 %, p < 0,001). Resultados similares foram encontrados para 0 VEF1 (1° PO: 35,70 ± 8,67% vs 50,08 ± 9,79%, P < 0,001; 3° PO: 48,45 ± 7,06% vs 61,49 ± 9,02%, P < 0,001 e 5° PO: 58,80 ± 8,52% vs 75,90 ± 10,23%, P < 0,001). A Pa02 e a relação Pa02/Fi02 diminuíram no 1 ° dia de PO em ambos os grupos (p < 0,05), com uma maior queda no grupo PA (p < 0,05). A P(A-a)02 aumentou nos dois grupos no 1° dia de PO (p < 0,05), porém o grupo PA apresentou maior aumento (p = 0,001). A dor referida foi maior no grupo PA (p = 0,004). 0 tempo de intubação orotraqueal (p = 0,012) e a permanência no hospital (p = 0,002) foram menores no grupo PI. Conclusão: A cirurgia de revascularização do miocárdio sem CEC utilizando a ATIE, independente da abertura pleural, induziu uma significante redução na função pulmonar no PO precoce. Entretanto os pacientes submetidos à pleurotomia demonstraram um decréscimo mais acentuado da função pulmonar..
Palavra-chave Revascularização miocárdica
Artéria torácica interna
Pulmão/fisiologia
Idioma Português
Data de publicação 2007
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2007. 110 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 110 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/24314

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta