Autotransplante intramuscular de tecido paratireoideo na região pré-esternal em pacientes com hiperparatireoidismo secundário e terciário.

Autotransplante intramuscular de tecido paratireoideo na região pré-esternal em pacientes com hiperparatireoidismo secundário e terciário.

Título alternativo Presternal intramuscular autotransplantation of parat5hyroid tissue for secondary and tertiary hyperparathyroidism
Autor Santos, Rodrigo Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Abrahão, Marcio Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Várias técnicas cirúrgicas podem ser empregadas no tratamento do paciente com HPTS e HPTT. A escolha do técnica do paratireoidectomia deve se alicerçar basicamente nos seguintes pilares: riscos de recorrência do hiperparatireoidismo; riscos de hipoparatireoidismo definitivo; como identificar, coso ocorra, 0 foco do recorrência; como tratar a recorrência. 0 objetivo deste estudo foi avaliar 0 Autotransplante Intramuscular de Tecido Paratireóideo na Região Pré-¬Esternal como opção técnica no tratamento cirúrgico de pacientes com HPTS e HPTT. MÉTODO. Dos 224 doentes renais crônicos que foram submetidos a paratireoidectomia total com autotransplante intramuscular pré-esternal de Abril/00 a Dez/05 no UNIFESP-EPM, foram selecionados 65 com informações necessárias e suficientes para obtenção de dados referentes ao período pré-operatório, a cirurgia e ao primeiro ano do pós-operatório. Tivemos 41 doentes com HPTS (26 femininos/15 masculinos), com idade média de 38.6 anos (19 a 70) e 24 com HPTT (13 femininos/11 masculinos), com média de idade de 43.1 anos (24 a 60). Cálcio iônico, Cr (apenas nos transplantados), P, FA, e PTH, além do consumo de Ca e VitD, foram avaliados antes e 1mês, 6 meses e 1 ano após a cirurgia. PTH rápido intra-operatório foi usado para confirmar remoção total das paratireóides. RESULTADOS. Houve elevação do nível de PTH 00 longo do 10 ano de pós-operatório nos 2 grupos, alcançando a média de 151.5 pg/mL nos doentes com HPTS e 76.13 pg/mL nos HPTT. Reposição oral com Ca e VitD diminuiu 00 longo do 10 ano de pós-operatório nos 2 grupos. Um único paciente apresentou recorrência devido hiperfunção do autotransplante, que foi ressecado sob anestesia local, sem complicações. A avaliação dos pacientes em diálise (HPTS) e transplantados (HPTT) 00 longo do tempo, feita com 0 uso do modelo de análise de variância com medidas repetidas, evidenciou diferenças estatisticamente significativas nos valores de PTH, FA e Ca Via Oral independente do grupo, e do valor de VitD Via Oral para 0 grupo diálise. PTH rápido intra-operatório foi efetivo para confirmar remoção total das paratireóides em todos pacientes em que foi utilizado. CONCLUSÃO. Autotransplante Intramuscular de Tecido Paratireóideo na Região Pré-Esternal e uma opção técnica viável e segura no tratamento cirúrgico de pacientes com Hiperparatireoidismo Secundário e Terciário, sendo tão efetiva quanto as outras opções técnicas de autotransplante disponíveis..
Palavra-chave Glândulas paratireoides
Hiperparatireoidismo
Hiperparatireoidismo secundário
Transplante autólogo
Transplante heterólogo
Idioma Português
Data de publicação 2008
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2008. 133 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 133 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/24293

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta