Respostas fisiológicas e bioquímicas ao exercício físico agudo em indivíduos com sequelas de poliomielite paralítica

Respostas fisiológicas e bioquímicas ao exercício físico agudo em indivíduos com sequelas de poliomielite paralítica

Título alternativo Biochemical and physiological responses to acutr physical exercise in individuals with paralytic poliomyelitis
Autor Lira, Claudio Andre Barbosa de Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Silva, Antonio Carlos da Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A síndrome pós-poliomielite (SPP) é 0 termo comumente aceito para descrever os sintomas neuromusculares que podem ocorrer anos após a poliomielite paralítica aguda. A prevalência de SPP em pacientes que tiveram poliomielite paralítica varia entre 25 e 74%. Pacientes com SPP são diagnosticados por meio de história confirmada de poliomielite paralítica, seguida por recuperação neurologica parcial ou completa e estabilidade funcional por pelo menos 15 anos. Depois deste período de recuperação, uma nova fraqueza muscular ou fadiga muscular anormal (diminuição da resistência), com ou sem fadiga generalizada, atrofia muscular ou dor muscular e articular, aparecem gradualmente. Objetivos: Avaliar as respostas fisiológicas e bioquímicas ao exercício físico agudo em indivíduos com seqüela previa de poliomielite paralítica (GP) e com a síndrome pós-­poliomielite (GSPP). Casuística e Métodos: Trinta indivíduos foram incluídos neste estudo: 10 indivíduos controle (GC), 10 indivíduos com seqüela de poliomielite paralítica (mas sem diagnóstico de SPP) e 10 indivíduos com a SPP. As seguintes avaliações foram conduzidas: espirometria, força de preensão manual, teste de exercício cardiorrespiratorio (TECR), testes funcionais (caminhada, subir escada e levantar de urna cadeira), atividade plasmática de creatina cinase e biomarcadores sanguineos de estresse oxidativo (peroxidação Iipídica no plasma, atividade das enzimas superóxido dismutase (SOD) e catalase (CAT) em eritrócitos e níveis plasmáticos de homocisteiía (HCY). Os biomarcadores de estresse oxidativo foram medidos antes e depois do TECR). Resultados: A função pulmonar e força de preensão manual não foram estatisticamente diferentes entre 0 GC, GP e GSPP. As respostas fisiológicas ao exercício avaliadas pelo TECR estão alteradas no GSPP, i.e., V 02max, carga máxima de trabalho e Iimiares metabólicos estão diminuídos e L. V02/L.carga e L.FC/L. V O2 estão aumentados em comparação com 0 GC. Estes resultados estão associados com o baixo desempenho nos testes funcionais. Com relação ao estresse oxidativo, as atividades de SOD e CAT e os níveis de HCY não foram significantemente diferentes entre os grupos antes do exercício. Depois do exercício, não foram observadas rnudanças significantes nos grupos estudados. Os níveis de HCY aumentaram significativamente em todos os grupos estudados depois do exercício. Entretanto, não...(au).
Palavra-chave Exercício
Síndrome pós-poliomielite
Estresse oxidativo
Radicais livres
Idioma Português
Data de publicação 2008
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2008. 185 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 185 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/24147

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta