Análise da expressão da proteína KIT em carcinomas ductais invasivos de mama

Análise da expressão da proteína KIT em carcinomas ductais invasivos de mama

Título alternativo Analysis of protein expression of KIT invasive ductal in breast cancer: comparison with conventional prognostic in breast carcinomas
Autor Mundim, Fiorita Gonzales Lopes Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Waitzberg, Angela Flávia Logullo Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Avaliar a expressão de KIT em células epiteliais, estroma is e metástases para linfonodos em carcinomas ductais mamários invasivos. Correlacionar esta variável: com outros marcadores biol6gicos (EGFR, erbB-2, RE, RP, Ki-67 e p53), variáveis clínicas e anatomopatológicas. Métodos: Na serie retrospectiva de 80 carcinomas ductais invasivos, estádios T2-T4 Nx Mx, amostras foram selecionadas para a construção de TMA (em componente epitelial, estromal e linfonodos). Imunoistoquímica com KIT, EGFR, erbB-2, RE, RP, Ki-67 e p53, foi realizada em um método ABC streptoavidina-peroxidase. KIT e EGFR foram avaliados pelo método escore de Tsuda; erbB-2 pelo herceptest (DAKO) e RE, RP, Ki-67 e p53 pelo método escore de Allred. Em todos os testes estatísticos de hip6teses foram considerados como significantes os resultados associados a um P com valor menor que 5%. Resultados: A expressão de KIT foi encontrada em 9 (11,3%) dos 80 carcinomas mamários invasivos no componente epitelial, em 10 casos (12,5%) no estromal e negativa em 43 linfonodos comprometidos pela neoplasia. Houve correlação com componente ductal in situ em epitélio (P=0,044) e necrose em estroma (P=0,002). Não houve associação de KIT e variáveis de estadia mento e Imunoistoquímica em todos os níveis estudados. As expressões de EGFR e erbB-2 foram negativas e não se correlacionaram, tanto ao nível epitelial (77,5% e 73,75%, respectivamente), quanto estromal (97,5% e 95,0%) e em metástases para linfonodos (83,7% e 62,8%). Enquanto RE, RP, Ki-67 e p53 demonstraram positividade em 49 (61,0%), 40 (53,0%), 67 (83,75%) e 59 casos (73,75%) no componente epitelial. As expressões de RE, RP, Ki-67 e p53 no estroma mostraram-se negativas. Os linfonodos revelaram positividade para RE, RP, Ki-67 e p53 em 27 (62,8%), 16 (37,5%), 41 (95,0%) e 28 casos (65,1%), respectivamente. A expressão de KIT não se correlacionou com RE, RP, Ki-67 e p53. Conclusões: A expressão de KIT e majoritariamente negativa em carcinomas primários invasivos da mama tanto no componente epitelial, assim como no estromal do tumor primário e em metástases linfonodais. A falta de correlação de KIT e outras quinases tirosinas sugerem estudos posteriores de mutações do proto-oncogene c-KIT e sua família, correlacionando com outros fatores prognósticos e sobrevida necessários para revelar o exato mecanismo de ação desta molécula no câncer de mama..
Palavra-chave Neoplasias da mama
Proteínas proto-oncogênicas c-kit
Imuno-histoquímica
Idioma Português
Data de publicação 2008
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2008. 144 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 144 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/24085

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta