Avaliação da imunoexpressão de proteínas relacionadas à proliferação celular e apoptose em tumor estromal gastrointestinal

Avaliação da imunoexpressão de proteínas relacionadas à proliferação celular e apoptose em tumor estromal gastrointestinal

Título alternativo Avaliation of imnoexpression protein related to cellular proliferation and apoptosis in gastrointestinal stromal tumor
Autor Artigiani Neto, Ricardo Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Stávale, João Norberto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: Recentemente, a identificação da proteína quinase c-kit e a a sua superexpressão nos tumores estromais gastrointestinais (GIST) possibilitou a elaboração de quimioterápico específico. No entanto, embora grande parte dos GIST que respondem ao tratamento cirúrgico e quimioterapico tenham melhor prognóstico, restam ainda casos de evolução comprometida por recorrência e resistência ao tratamento. Assim, este estudo buscou identificar possíveis variáveis prognósticas e verificar a associação de alterações da expressão de proteínas relacionadas ao controle do ciclo celular com variáveis anatomopatológicas e evolução clínica em GIST. Métodos: Os 55 pacientes incluídos foram tratados cirurgicamente em três instituições entre fevereiro de 1992 e setembro de 2006, e acompanhados até outubro de 2006. Casos sem dados de evolução, com histórico de outras neoplasias prévias ou outras doenças influenciando o prognóstico foram excluídos, assim como aqueles submetidos a radio ou quimioterapia pré-operatória. Foram estudadas retrospectivamente amostras tumorais emblocadas em parafina, contendo dados imunoistoquímicos diagnósticos prévios (vimentina, desmina, proteína S100, 1A4 e CD34 e imunopositividade para CD117). Revisão anatomopatologica objetivou avaliar as variáveis grau histológico, presença de necrose, localização e tamanho do tumor. Os blocos foram submetidos a nova análise imunoistoquímica semiquantitativa, em que foram avaliadas, a partir dos critérios preconizados por Allred, a reatividade para proteínas p16, p53, BcI-2 e Ki-67. Resultados: A maioria dos casos foi de grau histológico alto ou intermediário e localizados no estômago e intestino delgado. A sobrevida dos pacientes com alto grau histológico foi significativamente inferior à dos demais (p = 0,0163). Necrose tumoral correlacionou-se com tamanho do tumor (p = 0,0032), com índice mitótico (p < 0,0001) e com grau histológico (p = 0,0013). Apenas nove casos (16%) eram positivos para p53, 35 casos (64%) foram positivos para p16 e a maioria (44, ou 80%) foi positiva para BcI-2. A expressão identificada por imunoistoquímica de p16, p53 e BcI-2 não teve correlação com variáveis histológicas ou prognósticas. Em contraste, a expressão de Ki-67, presente em 27 casos (49%), revelou-se um bom fator preditivo e prognóstico para evolução em GIST: correlacionou-se com evolução para óbito (p < 0,05), alto grau histológico (p < 0,007), índice mitótico (p = 0,001) e necrose tumoral (p == 0,0257), além da positividade para p53 (p = 0,0018). Conclusão: A associação de índice de Ki-67...(au).
Palavra-chave Tumores do estroma gastrointestinal
Imuno-histoquímica
Apoptose
Proliferação de células
Antígeno Ki-67
Idioma Português
Data de publicação 2007
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2007. 144 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 144 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23828

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta