Impacto da terapia de indução com anticorpo policlonal na proteção do enxerto renal contra os danos secundários a lesão de isquemia e reperfusão

Impacto da terapia de indução com anticorpo policlonal na proteção do enxerto renal contra os danos secundários a lesão de isquemia e reperfusão

Título alternativo Impact of induction therapy with P plyclonal antibody in the kidney graft protection to damage secondary to ischemia and reperfusion injury
Autor Requião-Moura, Lucio Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Pacheco-Silva, Alvaro Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A lesão de isquemia e reperfusão (LIR) é a principal causa de insuficiência renal aguda (IRA) em rins nativos e está relacionada, em transplante renal, com atraso da função do enxerto (AFE). Fisiopatologicamente foi demonstrada a importância das células T e suas moléculas de adesão no desenvolvimento da lesão. O uso de anticorpos anti-linfócitos (ALA) pode atenuar a LIR por depleção linfocitária e modulação imunológica. Os objetivos deste trabalho foram avaliar os principais fatores relacionados com o AFE e se o uso de um ALA, Timoglobulina, como terapia de indução imunológica, reverte em curto e longo prazo os efeitos da LIR na função do enxerto renal. Pacientes e Métodos: Avaliamos, retrospectivamente, 628 pacientes que receberam enxerto renal de doador falecido entre 2002 e 2005 em três instituições. Comparamos as principais características clínicas pré transplante para identificar as diferenças entre pacientes que desenvolveram AFE, bem como as variáveis relacionadas com o risco de desenvolvê-la. Montamos uma coorte de 209 pacientes pareados de acordo com os dados demográficos pré-transplante e a imunossupressão de escolha, onde 97 pacientes usaram Timoglobulina (Grupo Timo) como indução imunológica, com uma dose intraoperatória seguida de retardo na introdução do inibidor de calcineurina e 112 pacientes controle (Grupo Controle). Comparamos a função do enxerto em determinados períodos utilizando os princípios de intercept (ponto do clearance de creatinina com um ano de transplante) e slope (variação do clearance entre dois períodos diferentes) entre os dois grupos. Conclusão: O AFE é a principal complicação precoce do transplante renal com doador falecido e está relacionado com aumento do risco de RA, bem como com pior função do enxerto em até dois anos de seguimento. O uso de Timoglobulina, como terapia de indução, apesar de não reduzir a incidência de AFE esteve relacionado de forma independente com melhor função do enxerto renal em até dois anos de seguimento, bem como com preservação da função, evitando progressão para doença renal crônica..
Palavra-chave Transplante de rim
Isquemia
Reperfusão
Função retardada do enxerto
Idioma Português
Data de publicação 2007
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2007. 123 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 123 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23705

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta