Associacao entre depressao pos-parto e alteracoes tireoidianas

Associacao entre depressao pos-parto e alteracoes tireoidianas

Título alternativo Association between post-partum depression and thyroid dysfunction
Autor Ruschi, Gustavo Enrico Cabral Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Este trabalho discute as questoes que envolvem a depressao, considerada um serio problema de Saúde publica, e sua maior frequencia no sexo feminino, devido mudancas psicologicas, sociais e biologicas sofridas pela mulher em diversas fases da vida, sendo o pos-parto uma das mais importantes, o que torna fundamental o papel do obstetra no reconhecimento da depressao nessa fase. Evidencia que as disfuncoes tireoidianas parecem ser mais frequentes durante o ciclo gravidico-puerperal e discute a possibilidade de estarem associadas com quadros depressivos, o que pode servir como rastreadores da depressao pos-parto para que 0 diagnostico seja precoce, permitindo instituir medidas preventivas que refletirao positivamente na qualidade de vida da mae e no desenvolvimento cognitivo e emocional da crianca. A pesquisa busca identificar a valencia de depressao pos-parto (DPP) e fatores associados, alem da valencia de alteracoes tireoidianas e sua associacao com a DPP. E um estudo observacional descritivo transversal, realizado com 292 mulheres, que se encontravam entre 31 e 180 dias apos o parto, atendidas em unidades de Saúde publica da Regiao Metropolitana de Vitoria - ES, analisando tal amostra a partir caracterissticas sociodemograficas e clinico-obstetricas. Define o transtorno depressivo pelo escore igual ou superior a 12 na Escala de Depressao Pos-Parto Edimburgo (EPDS) e avalia a funcao tireoidiana por dosagens sericas de hormonio tireoestimulante (TSH), tiroxina livre (T4 livre) e do anticorpo peroxidase (TPO). As avaliacoes estatisticas foram realizadas por meio de tecnicas de analise descritiva, teste do X2, teste de Levene, com o nivel de significancia de 5 por cento. Os resultados do estudo evidenciam que 39,4 por cento das mulheres apresentam escores iguais ou superiores a 12 na EPDS, sendo consiideradas deprimidas; e 60,6 por cento, com escores inferiores a 12, consideradas 10 nao deprimidas. Mulheres com menor escolaridade (p=O,036), maior numero de gestacoes (p<0,011), maior paridade (p<0,023), maior numero de filhos vivos (p<O,024) e menor tempo de relacionamento (p<O,007) apresentam ; depressao. A prevalencia de alteracao tireoidiana pos-parto, na amostra dada, foi de 8,5 por cento, e, no grupo das deprimidas, foi de 7,8 por cento. Nao houve diferenca estatisticamente significante na frequencia de alteracoes tireoidianas entre as pacientes deprimidas e nao deprimidas (x2=0, 131; p=O,717). Conclui que sequencia de DPP e elevada, esta relacionada com fatores sociais, mas nao observa associacao entre DPP e alteracoes tireoidianas
Palavra-chave Depressão Pós-Parto/epidemiologia
Tireoidite
Idioma Português
Data de publicação 2007
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2007. 74 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 74 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23592

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta