Estudos de componentes de Trypanosoma cruzi envolvidos na invasao celular por formas amastigotas extracelulares

Estudos de componentes de Trypanosoma cruzi envolvidos na invasao celular por formas amastigotas extracelulares

Título alternativo Studies of Trypanosoma cruzi components involved in cell invasion by extracellular amastigotes
Autor Silva, Claudio Vieira da Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Na primeira parte do trabalho, foi avaliada uma hipotese previamente levantada no laboratorio de que a maior expressao do epitopo de carboidrato presente em Ssp-4 e definido pelo AcM 1 09 estaria relacionada com a maior infectividade de formas amastigotas extracelulares de Trypanosoma cruzi. Para tanto, estudou-se por citometria de fluxo, imunofluorescencia e immunoblotting a expressao e distribuicao deste epitopo em amastigotas extracelulares de isolados de pacientes chagasicos, utilizando como controle as cepas G e CL. Neste contexto avaliou-se tambem o epitopo definido pelo AcM 287 que tambem reconhece carboidrato em Ssp-4. Os resultados obtidos com os ensaios de invasao associados a citometria de fluxo e immunoblotting mostraram que embora ambos os epitopos de carboidrato estejam envolvidos na invasao celular por amastigotas extracelulares, provavelmente por facilitar a adesao do parasita a proteinas com atividade lectinica na celula hospedeira, a maior expressao do epitopo definido pelo AcM 109 nao esta diretamente relacionada com a maior infectividade de amastigotas extracelulares dos isolados de pacientes chagasicos. Na segunda parte, portanto, procurou-se triar componentes do parasita que pudessem estar envolvidos na invasao celular, modulando-a. Lancou-se mao da tecnologia de microarranjo de ONA, utilizando como material de partida RNA polissomal de amastigotas extracelulares das cepas G e CL. Obteve-se com esta abordagem 204 sequencias mais expressas na cepa G e 106 na cepa CL. Como os amastigotas da cepa G sao mais infectivos, procurou-se nas sequencias hipoteticas e hipoteticas conservadas mais expressas nesta cepa, sequencias que codificassem para proteinas que fossem secretadas ou ancoradas a membrana celular. Esta predicao foi realizada por meio de programas disponiveis na rede mundial de computadores. Selecionou-se, portanto, uma sequencia que codifica para uma proteina de 21 kDa (P21) e que apresentou grande probabilidade de ser secretada. Apos clonagem desta proteina, os resultados obtidos foram que a P21 e uma proteina ubiqua e secretada por formas amastigotas extracelulares. Sua forma recombinante (Hiss-P21) aderiu a superficie de celulas HeLa de forma dose dependente, mas nao induziu sinal de calcio em celulas NRK. Em ensaios de invasao celular, observou-se que HiS6-P21 inibiu a invasao por amastigotas extracelulares das cepas G, CL e do isolado 588. Por outro lado, o AcM 2C6 (anti-HiS6-P21) inibiu a invasao da cepa G e do isolado 588, mas nao da cepa CL. Concluiu-se que a P21 pode estar envolvida na invasao celular, sendo provavelmente secretada na justaposicao parasita-celula hospedeira e induz eventos de sinalizacao ainda desconhecidos culminando com a internalizacao do parasita
Palavra-chave Trypanosoma cruzi
Idioma Português
Data de publicação 2007
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2007. 207 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 207 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23502

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta