Influência do estresse oxidativo e da suplementação de alfa-tocoferol sobre as células do urotélio vesical de ratas ooforectomizadas

Influência do estresse oxidativo e da suplementação de alfa-tocoferol sobre as células do urotélio vesical de ratas ooforectomizadas

Título alternativo Influence of oxidative stress and alpha tocopherol supplementation
Autor Lorenzetti, Fábio Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Dambros, Miriam Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: A bexiga pode ser considerada um órgão-alvo para a ação dos estrogênios. Diminuição dos níveis do hormônio após a menopausa tem sido associada com disfunção vesical. Ratas ooforectomizadas têm sido empregadas como um modelo animal para estudo dos efeitos do estresse oxidativo no útero, o qual, devido à geração de espécies reativas ao oxigênio, pode levar a danos em diferentes células, como as células uroteliais. Entretanto, as células corporais apresentam um grande número de mecanismos de defesa que as protegem contra a toxicidade das espécies reativas de oxigênio. Se a evidência for correta, a terapia com antioxidante seria benéfica em ratas ooforectomizadas. O presente estudo foi desenhado para investigar se a suplementação com alfa-tocoferol influencia os níveis de estresse oxidativo, bem como o dano de Ácido desoxirribonucléico (DNA) da célula urotelial da bexiga de ratas castradas. Métodos: Um total de 30 ratas da raça Wistar foram divididas em três grupos com 10 animais cada. O grupo I foi submetido a um procedimento sham e sacrificado após 30 dias. O grupo 11 foi ooforectomizado bilateral e sacrificado após 30 dias sem receber suplementação com alfa-tocoferol. O grupo 111 foi ooforectomizado bilateral e recebeu suplementação com alfa-tocoferol na dose de 1 000 IU/kg uma vez por semana, 1M, durante 30 dias antes e após o procedimento. Após quatro semanas do procedimento, os ratos foram anestesiados e as bexigas rapidamente removidas, congeladas e estocadas a -70°C para análise do Cometa, o qual foi realizado em linfócitos e células do urotélio vesical. Determinou-se também a concentração no plasma de 8-isoprostano, a fim de confirmar a presença de estresse oxidativo. Para a análise estatística, empregou-se o teste não pareado t de Student. Resultados: Os níveis de 8¬isoprostano encontravam-se aumentados no plasma de ratas ooforectomizadas, as quais não receberam suplementação de alfa-tocoferol quando comparado com os grupos sham e ooforectomizado com reposição de alfa-tocoferol. A análise do Tail Moment das células uroteliais demonstrou que o grupo ooforectomizado apresentou um dano de DNA estatisticamente significante quando comparado com os demais grupos. Conclusão: Com base nos dados acima, pode-se concluir que o alfa-tocoferol diminui os efeitos da ooforectomia sobre a peroxidação lipídica e evita o dano do DNA encontrado nas células uroteliais.
Palavra-chave Estresse oxidativo
Ratos
Estradiol
Bexiga urinária
DNA
Oxidative stress
Rats
Estradiol
Urinary bladder
DNA
Idioma Português
Data de publicação 2006
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2006. 55 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 55 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23329

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta