Estudo da Cistatina C na predição de mortalidade e injuria renal aguda no paciente idoso grave

Estudo da Cistatina C na predição de mortalidade e injuria renal aguda no paciente idoso grave

Título alternativo Cystatin C at admission in the intensive care unit predicts mortality among elderly patients
Autor Beraldo, Daniel de Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Batista, Marcelo Costa Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Medicina (nefrologia) – São Paulo
Resumo Introdução: A cistatina C serica e comumente utilizada para avaliar funcao renal em ambiente de terapia intensiva. Adicionalmente, parece haver relacao de seus valores elevados com mortalidade, nao estando definido, no entanto, se essa associacao e decorrente da injuria renal aguda ou de outro mecanismo. Objetivo: Estudar o potencial da cistatina C serica na estratificacao dos desfechos injuria renal aguda e/ou mortalidade em pacientes idosos admitidos no centro de terapia intensiva. Metodos: Trata-se de um estudo de coorte prospectivo que envolve individuos idosos (>60 anos de idade) sem disfuncao renal detectavel (valor inicial da creatinina serica dentro dos limites da normalidade) a admissao no Centro de Terapia Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, os quais foram incluidos no primeiro dia de internacao e acompanhados durante toda sua permanencia na unidade, com a finalidade de avaliar os desfechos injuria renal aguda (diagnostico pelos criterios de AKIN) e/ou obito a partir dos valores de cistatina C serica de entrada (≤0.96 e >0.96 mg/L). Constituiram criterios de inclusao idade superior a 60 anos e coleta de sangue efetuada nas primeiras seis horas de internacao, e criterios de exclusao pacientes nao considerados para ressuscitacao cardiorrespiratoria, transplantados renais e/ou presenca de disfuncao renal a admissao. Resultados: Dos quatrocentos pacientes avaliados, 234 (58%) foram selecionados e 45 (19%) desenvolveram injuria renal aguda. Nesse grupo, observou-se maior frequencia de individuos em ventilacao mecanica a admissao (35,5%) e ausencia de relacao com niveis iniciais elevados de cistatina C serica (1.05±0.48 vs 0.94±0.36 mg/L; p=0.1), que, por sua vez, associaram-se a longo periodo de internacao em centro de terapia intensiva (6±16 vs 4±6 dias; p=0.04). Na analise de regressao logistica binaria, utilizando como variaveis independentes idade, sexo, escore APACHE II, sepse, uso de vasopressores, dias de hospitalizacao em centro de terapia intensiva e albumina serica, a elevacao da cistatina C foi preditora independente de mortalidade RR= 6.16 (IC95% 1.46u26.00; p=0.01). Em contrapartida, injuria renal aguda nao mostrou tal associacao. Nas curvas ROC, valores elevados de cistatina C tambem proporcionaram moderada e significante area sob a curva (0.67; p=0.03) para estratificacao de mortalidade. Conclusao: Em pacientes idosos admitidos em centro terapia Intensiva demonstrou-se que a cistatina C serica elevada a admissao e preditora independente de mortalidade, podendo ser utilizada como marcador de mau prognostico nessa populacao
Palavra-chave Humanos
Idoso
Unidades de Terapia Intensiva
Lesão Renal Aguda
Cistatina C
Creatinina
Marcadores Biológicos
Humanos
Idoso
Idioma Português
Financiador Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 71 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 71 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23245

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta