Avaliação da composição corporal de adolescentes do sexo feminino com lupús eritematoso sistêmico

Avaliação da composição corporal de adolescentes do sexo feminino com lupús eritematoso sistêmico

Título alternativo Body composition of female adolescents with systemic erythematous lupus
Autor Caetano, Michelle Cavalcante Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Sarni, Roseli Oselka Saccardo Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: O lupus eritematoso sistemico juvenil (LESj) e uma doenca inflamatoria cronica, que acomete individuos ate 18 anos de idade. A doenca cursa com modificacoes da composicao corporal e com risco elevado de fraturas. Objetivo: Avaliar a composicao corporal (CC) e a densidade mineral ossea de coluna lombar (L1-L4) (DMO), em dois momentos, de adolescentes do sexo feminino com LESj. Casuistica e metodos: Por meio de estudo de coorte observacional, avaliou-se a CC e a DMO de 35 adolescentes pos-menarca, com LES. Foram coletados: medicamentos utilizados (doses cumulativa e atual de corticosteroides, uso de suplementos medicamentosos contendo calcio e vitamina D), proteinuria de 24 horas, indice de massa corporal e de estatura para a idade (escore z). A CC foi determinada por absorciometria por dupla emissao de feixes de raios-X (DXA), em dois momentos (mediana de 1,2 anos). A partir da DXA foram calculados: Fat Mass Index (FMI = massa gorda em quilogramas dividida pela estatura em metros elevada ao quadrado) e Lean Mass Index (LMI = massa magra em quilogramas dividida pela estatura em metros elevada ao quadrado). Os escores z de FMI e LMI foram obtidos com base no referencial proposto por Weber et al, 2013. A DMO foi classificada segundo a International Society of Clinical Densitometry (baixa DMO para a idade cronologica < -2,0 desvios-padrao). Resultados: A media de idade foi de 15,4±1,8 anos, o tempo de doenca foi de 3,7 anos (0,4 a 11,0). Em relacao ao estado nutricional: 54,3% eram eutroficas, 22,8% sobrepeso, 22,8% obesas, 8,5% baixa estatura. 42,8% das pacientes tinham baixa DMO para idade e 60% nao utilizam suplementacao de vitamina D. Nao se observou diferenca significante entre os momentos para o ZFMI, ZLMI e ZIMC; a DMO mostrou reducao significativa (p=0,011). Houve associacao entre a ausencia de suplementacao da vitamina D e a reducao da DMO. Conclusao: O decrescimo na DMO em adolescentes com LESj associou-se a ausencia de suplementacao de vitamina D enfatizando a importancia da elaboracao de protocolos bem definidos de suplementacao dessa vitamina
Palavra-chave Feminino
Adolescente
Lúpus eritematoso sistêmico
Densidade óssea
Densitometria
Composição corporal
Vitamina D
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 56 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 56 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23207

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta