Regeneracao das macroglandulas parotoides do sapo Rhinella icterica apos a compressao mecanica

Regeneracao das macroglandulas parotoides do sapo Rhinella icterica apos a compressao mecanica

Título alternativo Regeneration of the parotoid macroglands in the toad Rhinella icterica after mechanical compression
Autor Jared, Simone Goncalves Silva Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Os sapos apresentam um par de macroglandulas parotoides, secretoras de veneno usado na defesa passiva contra predadores. Essas macroglandulas sao compostas por alveolos justapostos, preenchidos por glandulas sinciciais ligadas ao exterior atraves de dutos. Quando as parotoides sao mordidas, o veneno e expelido na mucosa oral do predador, sob a forma de jatos, provocando acoes farmacologicas diversas. Os sincicios secretores vazios colapsam no interior dos alveolos. Visamos estudar, atraves de metodos morfologicos, a regeneracao das parotoides apos compressao mecanica manual, simulando a mordida de um predador. As parotoides de sapos machos da especie Rhinella icterica, apos a compressao, foram dissecadas em tempos sucessivos, desde 2 horas ate o 105º dia. Animais controle nao tiveram suas parotoides comprimidas. Dois especimens foram utilizados como controles positivos: um animal sacrificado 330 apos a compressao e outro coletado da natureza apresentando uma parotoide com uma deformidade. As amostras foram fixadas em Bouin e processadas para histologia em parafina. Os cortes foram corados em HE, tricromio de Mallory e picrosirius. Os resultados mostraram que apos a compressao, um bom numero de alveolos permaneceu intacto. Os alveolos efetivamente afetados foram observados com seus sincicios totalmente colapsados, e com uma extensa area hemorragica e infiltrado inflamatorio ao redor deles. Do 5º ao 105º dia, o sincicio gradualmente mostra sinais de regeneracao, apresentando nucleos conspicuos e cada vez mais secrecao no seu interior. As areas hemorragicas tornam-se menos extensas. Nos ultimos estagios examinados, notou-se que juntamente com sincicios em etapa final de regeneracao havia outros que permaneciam em etapas iniciais de recuperacao, ou mostravam apenas partes do sincicio recuperadas. A presenca, nos primeiros estagios, de hemorragia e infiltrado inflamatorio ao redor do sincicio, inclusive com um grande numero de macrofagos, indica que o tecido glandular, bem como o conjuntivo ao redor dele, sofrem injuria quando comprimidos. Ao final de nossas observacoes, muitos alveolos apresentaram-se bem regenerados. Essa regeneracao, no entanto, parece ocorrer em diferentes graus, desde total ate em apenas areas restritas do sincicio. Os alveolos que sofreram as piores injurias parecem nao mais retornar ao seu estado funcional. Por outro lado, o fato de nem todos os alveolos perderem o seu conteudo apos a compressao pode ser importante para a sobrevivencia dos sapos que, apos a investida de um predador, nao liberam todo o estoque de veneno de suas parotoides, permanecendo, assim, protegidos no caso de novos ataques
Palavra-chave Animais
Bufo marinus
Venenos de Anfíbios
Animais
Idioma Português
Data de publicação 2010
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2010. 94 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 94 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23135

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta