Características do doador falecido associadas a pior evolução do transplante renal ao final de seis meses

Características do doador falecido associadas a pior evolução do transplante renal ao final de seis meses

Título alternativo Deceased donor characteristics associated with worse kidney transplant outcome after six months
Autor Baptista, Ana Paula Maia Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Pestana, Jose Osmar Medina Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Medicina (Nefrologia) – São Paulo
Resumo O objetvo deste estudo foi identificar as caracteristicas dos doadores falecidos associadas a presenca de funcao tardia do enxerto (FTE) e a clearance de creatinina inadequado apos seis meses de transplante. Foram avaliados 787 doadores falecidos e 1298 receptores de primeiro transplante renal, com idade acima de 18 anos, transplantados entre 1998 e 2008. A media de idade dos doadores foi de 40 anos; eram de maioria masculina (55%), de etnia nao negra (72%), nao hipertensos (74%) e nao diabeticos (97%). A principal causa de morte encefalica foi acidente vascular encefalico (54,9%), seguido por traumatismo cranioencefalico (40%). O tempo medio de isquemia fria foi de 23 horas; a creatinina final media foi de 1,5 mg/d. Houve associacao com significancia estatistica entre FTE e hipertensao, idade do doador, tempo de isquemia fria (TIF) e creatinina final. Ocorreu aumento progressivo no risco de desenvolvimento de FTE a partir de faixas etarias maiores que 30 anos (OR 1.67 para a faixa de 31 a 40 anos, OR 2.09 para 41 e 50, OR 1.68 para 51 a 60 e OR 1.70 para idade superior a 61 anos, p<0,05) e a partir de TIF maior do que 24 horas (risco de FTE 56% maior para TIF entre 25 e 36 horas e 5 vezes maior para TIF maior que 36 horas, p<0,001). O risco de FTE foi 2 vezes maior quando creatinina final foi superior a 1,5 mg/dl (p<0,001). Genero feminino, hipertensao, morte encefalica por causa vascular, maior TIF e faixa etaria do doador superior a 40 anos associaram-se com clearance de creatinina inadequado. Hipertensao aumentou risco de clearance inadequado em 82% (OR 1,82), e TIF acima de 36 horas, em 99% (OR 1,99). A cada acrescimo de 10 anos na idade do doador a partir dos 40 anos, houve aumento progressivo no risco de clearance inadequado (OR 1,84; 2,77 e 3,84 para idade superior a 60 anos, p<0,001). Os resultados mostram que idade do doador maior que 40 anos, tempo de isquemia fria prolongado, presenca de hipertensao e creatinina final superior a 1,5 mg/dl associaram-se a maior risco de FTE e clearance inadequado. Intensificacao das terapias de manutencao do doador falecido, visando aumentar o debito urinario e reduzir creatinina serica e medidas para reducao do TIF devem diminuir a incidencia de FTE e melhorar a funcao do enxerto apos seis meses
Palavra-chave Transplante de Rim/efeitos adversos
Doadores de Tecidos
Função Retardada do Enxerto
Creatinina/sangue
Creatinina/urina
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em BAPTISTA, Ana Paula Maia. Características do doador falecido associadas a pior evolução do transplante renal ao final de seis meses. 2013. 60 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2013.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 58 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23068

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Tese-14333.pdf
Tamanho: 720.5KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta