Efeitos hemodinâmicos da arginina vasopressina em baixas doses no choque séptico.

Efeitos hemodinâmicos da arginina vasopressina em baixas doses no choque séptico.

Autor Nascente, Ana Paula Metran Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Machado, Flávia Ribeiro Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Medicina translacional – São Paulo
Resumo A vasopressina e um dos vasopressores utilizados em pacientes com choque septico. No entanto, os seus efeitos hemodinamicos sistemicos e microcirculatorios nao sao completamente conhecidos e compreendidos. Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos da vasopressina exogena na microcirculacao sublingual, utilizando a tecnica de sidestream dark field, e correlacionar estes potenciais achados com os efeitos sistemicos da mesma. Neste estudo prospectivo com intervencao, foram incluidos pacientes com choque septico, nas primeiras 48 horas de uso de catecolaminas vasopressoras, internados nas unidades de terapia intensiva da Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva da Universidade Federal de São Paulo. A vasopressina foi administrada a 0,04 U/min por uma hora. Foram obtidas medidas hemodinamicas sistemicas, imediatamente antes e 1 hora apos o inicio da vasopressina. Alem disso, imagens de microcirculacao sublingual foram coletadas por meio da tecnologia de sidestream dark field, para posterior analise com software especifico. Apos inclusao de 18 pacientes, observou-se reducao significativa da dose de catecolaminas apos a vasopressina (0,41 μg/kg/min (0,23 - 0,90) versus 0,31 μg/kg/min (0,09 - 0,76), p = 0,001). Verificou-se reducao da frequencia cardiaca, indice sistolico, indice cardiaco, bem como da saturacao venosa mista e alargamento do gradiente venoso-arterial de pCO2 (p = 0,009, 0,022, 0,002, 0,044 e 0,039, respectivamente). No entanto, houve reducao dos niveis de lactato (30,3 ± 17,3 mg/dL versus 27,6 ± 15,8 mg/dL, p = 0,037) e nao ocorreu alteracao significativa na densidade vascular total, densidade de vasos perfundidos, proporcao de vasos perfundidos, indice de fluxo microcirculatorio e indice de heterogeneidade (p > 0,05 para todos). Encontrou-se correlacao negativa entre a variacao de tres dos parametros da microcirculacao e seu respectivo valor basal: densidade vascular total (r = - 0,670; p = 0,002), densidade vascular perfundida (r = - 0,71; p = 0,001) e proporcao de vasos perfundidos (r = - 0,531; p = 0,023). Porem, nao houve correlacao entre estas variacoes e o indice cardiaco basal (r = - 0,100; p = 0,692 para densidade vascular total; r = - 0,204; p = 0,418 para densidade vascular perfundida; r = - 0,369; p = 0,132 para proporcao de vasos perfundidos; r = 0,200; p = 0,425 para indice de fluxo microcirculatorio e r = 0,106; p = 0,675 para indice de heterogeneidade). Desta forma, o presente estudo sugere que, embora a vasopressina esteja relacionada a efeitos potencialmente prejudiciais a macrocirculacao, sua associacao a catecolaminas vasopressoras proporciona reducao da dose dos mesmos, sem impacto significativo na rede microcirculatoria. Por outro lado, houve melhora dos parametros da microcirculacao nos pacientes que os apresentaram comprometidos antes do inicio da infusao de vasopressina
Palavra-chave Humanos
Arginina Vasopressina
Hemodinâmica
Choque Séptico
Unidades de Terapia Intensiva
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 111 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 111 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23005

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta