Fatores de risco associados à hipotermia ao nascimento em prematuros com idade gestacional inferior a 34 semanas

Fatores de risco associados à hipotermia ao nascimento em prematuros com idade gestacional inferior a 34 semanas

Autor Sancho, Guilherme de Assis Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Almeida, Maria Fernanda Branco de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Pediatria e ciências aplicadas à pediatria – São Paulo
Resumo Introdução: O recem-nascido prematuro apresenta limitacoes da termogenese pronunciadas ao nascimento, podendo rapidamente desenvolver hipotermia com consequente morbidade e mortalidade neonatal. Objetivo: Determinar a frequencia de hipotermia em prematuros, alem dos fatores ambientais, maternos e neonatais associados a sua presenca no momento da admissao em unidade de terapia intensiva (UTI) neonatal. Metodo: Coorte constituida de 238 recem-nascidos com 230/7 a 336/7 semanas de gestacao, peso ao nascer >400g sem malformacoes congenitas, nascidos e internados no Hospital Universitario da Universidade Federal de São Paulo de nov/2008-abr/2012. Cada neonato foi recepcionado por neonatologistas treinados em procedimentos de reanimacao com base nas evidencias do International Liaison Committee on Resuscitation, 2005 e 2010. Temperaturas de ambiente, caracteristicas maternas e neonatais, alem dos procedimentos de estabilizacao e reanimacao ao nascimento e durante o transporte ate a UTI neonatal foram comparados por regressao logistica quanto a presenca de hipotermia a admissao na UTI neonatal, definida como temperatura axilar <36,0ºC. Aplicou-se o teste do qui-quadrado de tendencia linear para avaliar a frequencia de hipotermia no decorrer do tempo e de acordo com as faixas de idade gestacional. Resultados: Hipotermia foi detectada em 83 (35%) dos 238 recem-nascidos estudados. A media da temperatura axilar na chegada a UTI neonatal foi de 36,2±0,7 (minima 34,1oC), sendo que sete pacientes atingiram de 37,7 a 38,2&#9702;C. Ao considerar-se o periodo trimestral, nao houve tendencia no decorrer do tempo para a frequencia de hipotermia (p=0,747). Em relacao as faixas de peso ao nascer 400-999g, 1000-1499g e 1500-2499g, respectivamente, 47% (29/62), 28% (25/89) e 34% (29/86) pacientes evoluiram com hipotermia, nao evidenciando-se tendencia para tal frequencia com o aumento das faixas de idade gestacional (p=0,240). A temperatura media da sala de parto foi 24,8±1,9oC e a da incubadora de transporte foi 36,1±1,6oC, com tempo medio de chegada a UTI neonatal de 20±9 minutos. Ao controlar as temperaturas de ambiente, as caracteristicas maternas e neonatais e os procedimentos realizados na sala de parto e no transporte, evidenciou-se que apenas os pacientes pequenos para a idade gestacional tiveram associacao independente (OR 2,29; IC 95% 1,15-4,58) com a ocorrencia de hipotermia a admissao na UTI neonatal. Conclusao: A hipotermia em prematuros com idade gestacional de 23 a 33 semanas e elevada a admissao na UTI neonatal, em especial em recem-nascidos pequenos para a idade gestacional, mesmo que as acoes atualmente preconizadas para manter a temperatura corporea sejam aplicadas ao nascimento e durante o transporte, denotando que novas estrategias necessitam ser desenvolvidas para a prevencao da hipotermia logo apos o nascimento.
Palavra-chave Hipotermia
Nascimento Prematuro
Prematuro
Recém-Nascido
Ressuscitação Cardiopulmonar
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 60 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 60 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22961

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta