Potencial imunoterapeutico da cisteina proteinase recombinante de Leishmania (Leishmania) chagasi (rLdccys1) para a leishmaniose visceral canina em região endêmica u Teresina/PI

Potencial imunoterapeutico da cisteina proteinase recombinante de Leishmania (Leishmania) chagasi (rLdccys1) para a leishmaniose visceral canina em região endêmica u Teresina/PI

Título alternativo Use of a recombinant cysteine proteinase from Leishmania (Leishmania) chagasi for immunotherapy of canine visceral leishmania sis
Autor Ferreira, Josie Haydée Lima Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Barbieri, Clara Lucia Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Uma cisteina proteinase recombinante de Leishmania (Leishmania) chagasi, rLdccys1, mostrou ser um marcador util para as formas clinicas da leishmaniose visceral (LV) em humanos e caes, bem como uma potencial ferramenta para o diagnostico da LV humana e canina (Pinheiro et al, 2005;. Dias et al, 2005;. Pinheiro, 2009; Pinheiro et al, 2009). Alem disso, a imunizacao com a rLdccys1, bem como com o gene que codifica a cisteina proteinase Ldccys1 induziu respostas imunes protetoras significantes em modelo murino (Ferreira et al., 2008). Resultados preliminares revelaram tambem que a imunizacao com a rLdccys1 induziu proteccao significante em caes apos o desafio com a L. (L.) chagasi (Pinheiro, 2009). Esses resultados abriram a pespectiva de averiguar o potencial imunoterapeutico da rLdccys1 para a LV canina em uma regiao endemica da doenca no Brasil, Teresina, Piaui. Trinta caes, sem raca definida, naturalmente infectados com a L. (L.) chagasi e sintomaticos, foram divididos em tres grupos de dez animais cada um. O primeiro grupo recebeu tres doses da rLdccys1 juntamente com Propionibacterium acnes como adjuvante, o segundo recebeu tres doses de P. acnes e o terceiro grupo recebeu salina. Durante o tratamento e um mes apos a administracao da ultima dose da rLdccys1 foram avaliadas as respostas imunes humoral e celular de todos os animais. Os caes tratados com a rLdccys1 desenvolveram forte reacao de hipersensibilidade tardia contra o lisado dos amastigotas da L. (L.) chagasi, enquanto que nos controles essa resposta nao foi observada. Alem disso, altos titulos de IgG2 e baixos de IgG1anti-rLdccys1, seguidos de elevada producao de IFN-γ e baixa concentracao de IL-10 foram detectados no soro dos caes tratados com a rLdccys1, indicando respostas mediadas por linfocitos Th1 nesses animais. Por outro lado, os caes que receberam apenas a P. acnes ou salina exibiram baixos niveis sericos de IgG2 e IFN-γ e altas concentracoes de IgG1 e de IL-10. Na triagem, todos os animais selecionados apresentaram media semelhante de escores clinicos, enquanto que dois meses apos o final do tratamento os animais dos dois grupos controle apresentaram aumento significante dos sinais clinicos, indicando a progressao da doenca. Ao contrario, nao houve aumento dos sinais clinicos nos caes tratados com a rLdccys1, mostrando que eles foram capazes de controlar a evolucao da doenca. Foi tambem observada a correlacao negativa entre a producao de IFN-γ e a media dos escores clinicos, pois nos caes tratados com a rLdccys1 o aumento significante da producao de IFN-γ foi acompanhado de valores baixos dos escores clinicos, enquanto que nos controles a baixa producao de IFN-γ foi correlacionada com o aumento da media desses escores. Por outro lado, houve correlacao direta entre a producao de IL-10 e a media dos escores clinicos, observando-se o aumento significante da producao de IL-10 e das medias desses escores nos controles, enquanto que nos caes tratados com a rLdccys1 os baixos valores dos sinais clinicos foram acompanhados da baixa producao de IL-10. Os caes tratados com a rLdccys1 sobreviveram ate 12 meses apos o tratamento e apresentaram reducao de sete unidades logaritmicas da carga parasitaria comparada a dos controles que morreram entre 3 e 6 meses. Todos os caes do grupo sacrificado 3 meses apos o tratamento apresentaram carga parasitaria menor do que a dos animais nao sacrificados. No entanto, o grau de reducao da carga parasitaria dos caes tratados com a rLdccys1 nao foi significantemente diferente entre os animais sacrificados e os nao sacrificados. Esses resultados mostram o potencial da rLdccys1 como uma alternativa para a imunoterapia da LV canina e dao suporte para estudos adicionais visando aprimorar a eficacia desse antigeno recombinante no tratamento dessa parasitose.
Palavra-chave Cisteína Proteases
Leishmaniose Visceral
Leishmania infantum
Imunoterapia
Doenças Endêmicas
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 134 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 134 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22939

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta