Avaliacao orofacial de mulheres com artrite reumatoide

Avaliacao orofacial de mulheres com artrite reumatoide

Título alternativo Orofacial evaluation of women with rheumatoid arthritis
Autor Hoyuela, Carmen Paz Santibanez Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A artrite reumatoide (AR) e uma enfermidade autoimune articular agressiva, podendo causar deformidades articulares e consequente incapacidade fisica. A articulacao temporomandibular (ATM) pode ser afetada por essa enfermidade. Sao poucos os estudos controlados que avaliaram a FM e alteracoes orofaciais nessa enfermidade. Objetivos: Caracterizar as alteracoes orofaciais de pacientes com AR, correlacionar os resultados da avaliacao orofacial com parametros funcionais, clinicos e de atividade da doenca e correlacionar a FM com a forca da mao. Metodos: Foi realizado um estudo transversal com 150 mulheres, onde 75 eram pacientes com AR (Grupo AR) e as outras 75, mulheres saudaveis (Grupo Controle). Foram avaliadas em relacao a dor, sons, dor a palpacao dos musculos masseter e temporal e no polo lateral da ATM; queixas de alteracoes na oclusao; amplitude do movimento de abertura e fechamento bucal; queixa de cansaco durante a mastigacao; relato de bruxismo do sono; habitos parafuncionais; presenca de rigidez matinal na ATM; e mensuracao da FM de tres regioes: incisivos e molares; avaliacao da forca da mao: pinca digital (polpa-a-polpa, chave e tripode) e preensao palmar; foram aplicados os questionarios: HAQ (funcao global), DASH (funcao de membros superiores) e OHIP-14 (qualidade de vida relacionada a Saúde bucal) e realizado calculo do DAS-28 (atividade de doenca). Resultados A idade (± DP) do grupo controle foi de 47,4 anos (± 10,0) e do grupo AR foi de 49,2 anos (± 9,4) (p = 0,244) com media de tempo de doenca de 12,66 anos (± 9,32), e media de DAS-28 de 4,65 (±1,78). Houve diferenca estatistica entre os grupos na avaliacao orofacial, com piores valores para o grupo AR nas seguintes variaveis: cansaco durante a mastigacao (p=0,037); alteracao da oclusao (p=0,001); presenca de rigidez matinal na ATM (0,013); dor a palpacao nos musculos: temporal direito e esquerdo (p=0,027 e p=0,032); masseter direito e esquerdo (p=0,032 e p=0,011); polo lateral da ATM direito e esquerdo (p=0,027 e 0,001), presenca de estalidos (p=0,009) e crepitacao (p=<0,001). Os valores de FM no grupo controle e no grupo AR nas tres regioes foram: incisivos , 126,5N e 92,80 (p<0,001); molares lado direito 252,70N e 154,70N (p <0,001); molares lado esquerdo 249,20N e 170,30N (p = 0,002). Observou-se correlacao estatistica entre a FM e forca de pinca digital e preensao no grupo controle, porem no grupo AR essa correlacao foi mais consistente apenas nos pacientes com dentes naturais. As pacientes com AR apresentaram piores escores (p<0,05) dos questionarios HAQ, DASH e OHIP-14 que o grupo controle. Observou-se, no grupo AR, correlacao estatisticamente inversa entre a FM e o HAQ, mas nao entre a FM, o DAS-28, o DASH e o OHIP-14. Conclusoes: mulheres com AR apresentam mais sinais e sintomas na regiao orofacial e menor FM. A FM se correlaciona inversamente com a funcao global (avaliada por meio do HAQ) nas pacientes com AR e ha correlacao entre a FM e a forca de mao nos dois grupos.
Palavra-chave Artrite Reumatoide
Força de Mordida
Força da Mão
Qualidade de Vida
Saúde Bucal
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 98 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 98 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22885

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta