Assinaturas moleculares da progressão do melanoma.

Assinaturas moleculares da progressão do melanoma.

Título alternativo Molecular signatures of melanoma progression
Autor De Souza, Camila Ferreira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Jasiulionis, Miriam Galvonas Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Farmacologia – São Paulo
Resumo Objetivo: Caracterizar os perfis transcricionais globais das linhagens murinas melan-a, 4C, 4C11- e 4C11+, que representam lesoes melanociticas em estagios fenotipicos distintos. Metodos: A metodologia de microarray foi utilizada para a identificacao dos genes diferencialmente expressos em cada transicao associada a transformacao maligna dos melanocitos melan-a: de melan-a para 4C, 4C para 4C11-, e 4C11- para 4C11+. Analises de BioInformática foram aplicadas para determinar se as proteinas codificadas pelos genes identificados como diferencialmente expressos estavam inseridas em vias de sinalizacao conhecidas. Candidatos a genes supressores de tumor responsivos ao tratamento das linhagens murinas com 5-Aza-2`-desoxicitidina (5AzaCdR; Decitabina) foram identificados em estagios especificos da progressao do melanoma. Tecnicas de BioInformática e de Biologia Celular e Molecular, alem do tratamento de linhagens de melanoma metastatico com os compostos quimicos tricostatina A (TSA) e vemurafenibe/PLX4032 foram utilizados para caracterizar o significado biologico de alteracoes na via de sinalizacao tendo a proteina MITF-M como eixo central, na progressao de melanomas nas especies murina e humana. Resultados: Melanocitos pre-malignos e melanomas metastaticos compartilharam alteracoes em vias de sinalizacao, incluindo aquelas mediadas por TGF- e caderina. O fenotipo metastatico caracterizou-se pela desregulacao de transcritos que foram inseridos em dezesseis vias de sinalizacao estagio-especifico. Alteracoes na expressao genica de HSPB1 e SERPINE1 coexistiram em melanocitos pre-malignos, melanomas nao metastaticos e melanomas metastaticos com menor grau de agressividade clinica, configurando uma pequena assinatura molecular que pode ser explorada na avaliacao de risco para a doenca metastatica. Estes genes mostraram-se responsivos a 5AzaCdR, configurando candidatos a genes supressores de tumor na linhagem melanocitica. Concordante com estes achados, alteracoes dinamicas na expressao de componentes da maquinaria epigenetica foram detectadas ao longo da transformacao maligna dos melanocitos melan-a. Melanocitos primarios humanos exibiram alteracoes morfologicas e na expressao de genes associados a biologia de melanocitos, resposta a terapia do cancer e genes que modulam parametros do processo carcinogenico, sugerindo que a plasticidade epigenetica pode configurar um biomarcador na etiopatologia de melanomas. Nesta linha de evidencia, Mitf, considerado o regulador principal da especificacao da linhagem melanocitica, apresentou responsividade diferencial aos compostos epigeneticos, dependendo do estagio da progressao tumoral. O tratamento com TSA culminou com a repressao da proteina Mitf-M, o que se correlacionou com a diminuicao na expressao de genes alvos de Mitf com funcao oncogenica em melanomas. Os genes Cdk2, Dct, Dicer1, Hif1, Met, Mlana e Serpine1 foram identificados como alvos diretos de Mitf no fenotipo metastatico, em nosso modelo experimental. De relevancia biologica para o entendimento da fisiopatologia de melanomas, o silenciamento da proteina Mitf modulou o aumento e a diminuicao, respectivamente, dos genes Braf e Gsk3, sugerindo um mecanismo regulatorio de retroalimentacao ou que essas proteinas podem atuar como efetoras de Mitf em melanomas metastaticos. A regulacao epigenetica dos genes BRAF e MET e da proteina MITF-M foi demonstrada. Por fim, foram identificados novos alvos responsivos, indiretamente, ao tratamento com vemurafenibe em melanomas metastaticos, incluindo os transcritos CDK2, MET e SERPINE1 e a isoforma M da proteina MITF. Conclusao: Estes achados apontam para novos horizontes no tratamento do melanoma metastatico
Palavra-chave Melanoma
Genética
Biomarcadores Farmacológicos
Fator de Transcrição Associado à Microftalmia/metabolismo
Metástase Neoplásica
Epigênese Genética/efeitos de drogas
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 164 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 164 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22868

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta