Avaliação da incidência e do subdiagnóstico da doença pulmonar obstrutiva crônica na região metropolitana de São Paulo com base em três critérios diagnósticos espirométricos: de pacientes com Syntax

Avaliação da incidência e do subdiagnóstico da doença pulmonar obstrutiva crônica na região metropolitana de São Paulo com base em três critérios diagnósticos espirométricos: de pacientes com Syntax

Título alternativo Incidence and underdiagnosis evaluation of chronic obstructive pulmonary disease in the metropolitan area of São Paulo based on three spirometric diagnosis criteria: The PLATINO Longitudinal Study
Autor Moreira, Graciane Laender Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Jardim, José Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Medicina translacional – São Paulo
Resumo Introdução: A doenca pulmonar obstrutiva cronica (DPOC), doenca respiratoria de alta prevalencia e impacto socioeconomico no mundo, afeta aproximadamente 16% da populacao brasileira, dos quais 87% nao foram previamente diagnosticados. Informacao sobre a incidencia da DPOC e atualizacao da taxa de subdiagnostico desta doenca e escassa na literatura e ainda desconhecida no Brasil. Objetivos: Avaliar a incidencia da DPOC apos nove anos de seguimento de uma amostra de base populacional na cidade de São Paulo e a taxa de subdiagnostico nos novos casos da doenca considerando tres diferentes criterios diagnosticos [volume expiratorio forcado no primeiro segundo/capacidade vital forcada (VEF1/CVF) < 0,70, VEF1/CVF < limite inferior da normalidade (LIN) e VEF1/VEF6 < 0,75; todos pos-broncodilatador], verificar a concordancia entre esses criterios para os casos incidentes, identificar as caracteristicas associadas aos novos casos da DPOC e comparar a taxa de subdiagnostico dos casos incidentes (PLATINO seguimento) com a dos casos prevalentes (PLATINO inicial). Metodos: A populacao deste estudo foi composta pelos mesmos individuos da amostra do PLATINO inicial de São Paulo (n=1.000). Essas pessoas responderam a um questionario e foram submetidas a antropometria e espirometria pre e pos-broncodilatador utilizando-se os mesmos instrumentos e equipamentos do PLATINO inicial. As visitas foram realizadas de dezembro de 2011 a maio de 2012. A incidencia cumulativa foi calculada pela razao entre numero de novos casos e populacao em risco durante nove anos de seguimento. O teste do qui-quadrado foi utilizado para a analise da taxa de subdiagnostico. Para investigacao das caracteristicas associadas a incidencia da doenca foi utilizado o teste do qui-quadrado/teste de Fisher ou o teste t para amostras independentes. O nivel de significancia adotado foi 5% (p<0,05). Resultados: Dos 1.000 sujeitos do PLATINO inicial, 613 participaram do PLATINO seguimento, pois 56 deles nao foram localizados, 135 faleceram, 141 se recusaram a participar e 55 mudaram de estado/municipio. A incidencia da DPOC, apos nove anos de seguimento, variou dependendo do criterio diagnostico utilizado [VEF1/CVF<0,7 = 4,0% (n=20), VEF1/CVF<LIN = 1,4% (n=7) e VEF1/ VEF6<0,75 = 8,8% (n=43)]. Houve concordancia entre os tres criterios para seis novos casos da doenca. A menor concordancia foi entre os criterios VEF1/CVF<LIN e VEF1/VEF6<0,75 (14%) e a maior entre VEF1/CVF<0,7 e VEF1/VEF6<0,75 (39,5%). As caracteristicas em comum associadas aos novos casos de DPOC identificados em dois dos tres criterios utilizados foram baixa escolaridade, idade mais avancada e relato do sintoma chiado. A taxa de subdiagnostico variou de 70% a 79,1%, dependendo do criterio diagnostico, e apos nove anos de seguimento houve reducao de 17,5% ao se comparar a taxa de subdiagnostico dos casos incidentes com a dos casos prevalentes. Conclusao: A incidencia cumulativa da DPOC na cidade de São Paulo, apos nove anos de seguimento, variou de 1,4% a 8,8%, dependendo do criterio diagnostico utilizado e a concordancia entre esses criterios variou de 14% a 39,5%. As caracteristicas associadas aos novos casos da DPOC foram baixa escolaridade, idade mais avancada e presenca do sintoma chiado. A taxa de subdiagnostico nos incidentes variou de 70% a 79,1%, a depender do criterio diagnostico e houve reducao de 17,5% ao se comparar a taxa de subdiagnostico nos incidentes em relacao aos prevalentes
Palavra-chave Humanos
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Incidência
Diagnóstico
Epidemiologia
Espirometria
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 88 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 88 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22850

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta