Controle de Danos Vascular: ração entre ligadura venosa e shunt vascular temporário-estudo experimental em porcos

Controle de Danos Vascular: ração entre ligadura venosa e shunt vascular temporário-estudo experimental em porcos

Título alternativo Vascular Damage Control: Comparison between venous ligation and shunting: experimental study in pigs
Autor Goes Junior, Adenauer Marinho de Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Abib, Simone de Campos Vieira Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Ciência Cirúrgica Interdisciplinar – São Paulo
Resumo Introdução: No contexto do ocontrole de danoso, o uso de shunts arteriais temporarios ja esta bem estabelecido. A ligadura venosa pode predispor a oclusao do shunt arterial. O shunt venoso promoveria melhor drenagem do membro, diminuindo a hipertensao venosa que acarretaria isquemia e sangramento; entretanto, nao se sabe se o seu uso altera o prognostico do membro traumatizado. Na literatura nao ha estudo desenhado para determinar se o uso do shunt venoso, como alternativa a ligadura da veia lesada, interfere na perviedade do shunt arterial e, consequentemente, na perfusao e no prognostico do membro. Objetivo: avaliar o fluxo atraves de shunts vasculares inseridos em arterias e veias perifericas e a repercussao, na perfusao arterial do membro, das tecnicas de ligadura e shunt venosos, em um modelo experimental de controle de danos. Metodo: estudo experimental de modelo de choque controlado em suinos machos de 40 Kg alocados em 5 grupos, cada um com 5 animais. Os vasos iliacos externos foram dissecados bilateralmente. No lado direito foram realizados os experimentos e os do lado esquerdo foram usados como controle. Utilizou-se como shunts, segmentos de 3cm de comprimento de equipo de soro. Animais do grupo 1 tiveram um shunt instalado na arteria iliaca externa direita (AIED) e a veia iliaca externa direita (VIED) ligada. No grupo 2 foram posicionados shunts na AIED e na VIED. No grupo 3 foi feita ligadura da VIED. No grupo 4 um shunt foi posicionado na VIED. Animais do grupo 5 nao foram submetidos a colocacao de shunts e nem a ligaduras. Realizada biopsia do membro anterior direito. Apos a instalacao dos shunts vasculares e ligaduras venosas novos registros de PAM, fluxos vasculares nos vasos iliacos externos e analises bioquimicas foram executadas. Choque hemorragico foi induzido pela retirada de 20 mL/min de sangue atraves da veia jugular. Executados registros da PAM e de fluxos dos vasos iliacos externos a cada 10 minutos e analises bioquimicas (pH, HCO3, pO2, pCO2, Na, K) do sangue venoso a cada 30 minutos. Considerados os desfechos: 1- interrupcao do fluxo atraves da AIED (grupos 1, 2, 3, 4 e 5 ); 2- parada do fluxo atraves do shunt implantado na VIED (grupo 4); 3- obito do animal. Apos os experimentos foram realizadas biopsias de ambos os membros traseiros coradas por hematoxilina-eosina; foram pesquisadas alteracoes isquemicas, vasculares e inflamatorias posteriormente pontuadas em um escore de alteracoes histologicas. Os dados foram analisados com auxilio do Microsoft Office Excel 2007 e do Programa BioEstat 5.0 (2007). Para analise da significancia dos resultados aplicou-se os testes de Friedman, t-Student, ANOVA e Kruskal-Wallis. Considerando-se &#945; 0,05 ou 5%. Resultados: na ausencia de choque hemorragico, a ligadura venosa (grupo 1) esteve associada a reducao de 38,8% (p < 0,05) e o implante do shunt venoso(grupo 2) a reducao de 28,4% do fluxo atraves do shunt arterial. Na vigencia de choque hemorragico o fluxo medio na AIED foi de 13 mL/min e na AIEE foi de 41,2 mL/min (p > 0,05); no grupo 2 o fluxo na AIED foi de 8,5 mL/min e na AIEE foi de 8,1 mL/min (p > 0,05). Na vigencia de choque hemorragico, a dosagem de pO2 na VIED foi 25,8 mmHg e 33,8 mmHg na VIEE no grupo1 (p < 0,05) e no grupo 2 foi 22,6 mmHg na VIED e 22,8 mmHg na VIEE (p > 0,05) e a dosagem de K na VIED foi 3,84 mEq/L e 3,96 mEq/L na VIEE (p > 0,05) no grupo1 e no grupo 2 foi 7,1 mEq/L na VIED e 5,88 mEq/L na VIEE (p < 0,05). A analise histopatologica revelou que no grupo 4 as medias dos escores referentes as alteracoes isquemicas foram 3,6 para as biopsias do membro traseiro direito e 2,8 para as biopsias do membro traseiro esquerdo (p < 0,05). Os demais parametros histologicos nao revelaram diferenca estatistica significativa entre os grupos. Conclusoes: Na ausencia de choque hemorragico, a ligadura venosa: comparada ao shunt venoso, promove uma reducao mais intensa do fluxo atraves do shunt arterial, importante reducao do retorno venoso. O shunt venoso acarreta menor reducao do retorno venoso do que a ligadura venosa. Na vigencia de choque hemorragico grau IV, a ligadura venosa: comparada ao shunt venoso, promove uma reducao mais intensa do fluxo atraves do shunt arterial. A ligadura venosa, comparado ao shunt venoso, esteve associado a pO2 menores no sangue venoso. O shunt venoso, comparado a ligadura venosa, esteve associado a maiores concentracoes de potassio no sangue venoso. O shunt arterial deixou de apresentar fluxo apos uma reducao de 63,2% da PAM quando a veia adjacente recebeu ligadura e de 82,6% quando a mesma recebeu shunt temporario. Quando a arteria adjacente nao sofreu lesao, o shunt venoso apresentou interrupcao do fluxo apos uma reducao de 42,6% da PAM. Nos cenarios de traumatismos arterial e venoso simultaneos, a analise histopatologica pela tecnica de hematoxilina-eosina nao apontou diferenca significativa entre as tecnicas de controle de danos testadas
Palavra-chave Humanos
Lesões do Sistema Vascular
Avaliação de Danos
Ferimentos e Lesões
Ligadura
Procedimentos Cirúrgicos Vasculares
Derivação Arteriovenosa Cirúrgica
Humanos
Idioma Português
Financiador Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Número do financiamento FAPESP: 2010/17624-9
Data de publicação 2013
Publicado em GÓES JUNIOR, Adenauer Marinho de Oliveira. Controle de Danos Vascular: Comparação entre ligadura venosa e shunt vascular temporário- Estudo experimental em porcos. 2013. 112 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2013.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 94 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22821

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Tese-14013.pdf
Tamanho: 2.669MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta