O Estresse ocupacional em docentes de medicina e enfermagem de uma instituição pública.

O Estresse ocupacional em docentes de medicina e enfermagem de uma instituição pública.

Título alternativo The occupational stress in medicine and nursing faculty in a public institution
Autor Aranha, Fernando de Camargo Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Nogueira-Martins, Luiz Antonio Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Psiquiatria e Psicologia Médica – São Paulo
Resumo Introdução: Uma abordagem atual e relevante no cenario de pesquisas relacionadas ao estresse ocupacional refere-se ao modelo teorico de desequilibrio entre o esforco dispensado e a recompensa obtida no trabalho. O esforco e caracterizado pelo empenho do individuo diante das demandas advindas do trabalho em troca de diferentes recompensas: oportunidades de promocao e ganho financeiro, reconhecimento ou estima nas relacoes laborais, e seguranca ou estabilidade no emprego. O modelo contempla tambem o dominio definido como comprometimento excessivo (overcommitment - OC) com o trabalho, correspondente as caracteristicas pessoais de maior necessidade de controle, reconhecimento e dificuldade para se desligar dos compromissos. Nao foram identificados estudos relacionados as prevalencias de desequilibrio esforco-recompensa no trabalho e do comprometimento excessivo com o trabalho em docentes de medicina e enfermagem. Objetivos: 1) Estimar as prevalencias de desequilibrio esforco- recompensa e do comprometimento excessivo com o trabalho em docentes de medicina e enfermagem, 2) Verificar a existencia de associacao dessas variaveis de acordo com os grupos de docentes. Metodos: Foi realizado um estudo transversal com 232 docentes de uma instituicao publica do Estado de São Paulo no periodo de abril a novembro de 2009. Instrumentos aplicados: 1) Questionario socio demografico e ocupacional elaborado pelo pesquisador; 2) Questionario de desequilibrio esforco-recompensa no trabalho (Effort-Reward Imbalance - ERI). Foi utilizado o teste do qui quadrado para verificar a associacao das variaveis entre os grupos de docentes. Resultados: A prevalencia de desequilibrio esforco-recompensa nos docentes de enfermagem (31,3%) foi superior a dos docentes de medicina (14,1%), diferindo significativamente desta (p=0,006). As prevalencias do comprometimento excessivo com o trabalho foram similares nos docentes de enfermagem e medicina (45,8% e 39,7%, respectivamente), com diferenca nao significativa entre si (p=0,738). Conclusoes: A proporcao de docentes de enfermagem com desequilibrio esforco-recompensa foi 2,2 vezes maior em relacao aos de medicina. Ambos os grupos de docentes apresentaram elevadas prevalencias de comprometimento excessivo com o trabalho, o que evidencia, nestas categorias profissionais, marcantes caracteristicas pessoais de maior necessidade de controle e dificuldade para se desligarem dos compromissos advindos do trabalho
Palavra-chave Humanos
Esgotamento Profissional
Epidemiologia
Docentes de Medicina
Docentes de Enfermagem
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em ARANHA, Fernando de Camargo. O Estresse ocupacional em docentes de medicina e enfermagem de uma instituição pública. 2013. 47 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2013.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 45 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22813

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Tese-14005.pdf
Tamanho: 1.848MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta