Evento adverso à BCG: suas características e a evolução clínica com o tratamento proposto pelo Ministério da Saúde do Brasil

Evento adverso à BCG: suas características e a evolução clínica com o tratamento proposto pelo Ministério da Saúde do Brasil

Título alternativo Adverse events after BCG: clinical characteristics and outcome using the Guideline from the Brazilian Ministry of Health
Autor Moreira, Thais das Neves Fraga Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Weckx, Lily Yin Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Pediatria e ciências aplicadas à pediatria – São Paulo
Resumo Introdução: Os eventos adversos a vacina BCG (EA-BCG) sao raros e sua incidencia e influenciada por fatores relacionados ao individuo, ao imunobiologico e a tecnica utilizada. Nao ha consenso na literatura sobre o melhor tratamento dos EA-BCG. O objetivo deste trabalho e avaliar os EA-BCG do municipio de São Paulo descrevendo aspectos clinicos, fatores relacionados a sua ocorrencia e a evolucao com o tratamento proposto pelo Ministerio da Saúde. Casuistica e Metodos: Foi analisada coorte de pacientes atendidos no CRIE-Unifesp de janeiro/2009 a dezembro/2011, sendo realizada busca ativa dos casos notificados no municipio de São Paulo. A coleta de dados foi feita com ficha estruturada e o acompanhamento feito mensalmente ate 3 meses apos a resolucao do evento. O tratamento foi realizado de acordo com o Manual de Eventos Adversos Pos-Vacinais. Os dados foram obtidos retrospectivamente de Janeiro/2009 a Outubro/2010 e prospectivamente apos essa data. Resultados: O municipio de São Paulo teve entre 2009-2011 taxa de 0,48 notificacoes/1000 doses aplicadas. Dos 163 pacientes atendidos no CRIE-Unifesp, 31 apresentavam evolucao normal, 130 eventos locorregionais e 2 outros diagnosticos. Nao houve casos de disseminacao do bacilo. Nao houve maes soropositivas para HIV no estudo. Em 97,5% dos casos o evento ocorreu apos a primeira dose. Os EA-BCG encontrados foram: adenomegalias supuradas (67;51,5%), abscesso frio (31;23,8%), Ulcera>1cm (4;3,1%); adenomegalias > 3 cm nao supuradas (5;3,8%) e abscesso quente (1;0,8%). Em 16 pacientes EA-BCG nao descritos no Manual foram encontrados sendo granuloma (7;5,4%), reativacoes da cicatriz vacinal (6;4,6%), fenomeno vasomotor (1;0,8%) e outras alteracoes dermatologicas (2;1,5%). Seis pacientes (4,6%) apresentaram mais de um evento, sendo em um dos casos uma reacao lupoide. Nao houve diferenca estatisticamente significante entre os grupos com evolucao normal e com EA-BCG quanto as caracteristicas demograficas e clinicas, exceto a idade de inicio dos sintomas mais tardia nos EA-BCG. Os pacientes com EA-BCG nao descritos no Manual tinham perfil distinto com taxas maiores de baixo peso ao nascer (20%), internacoes de causas infecciosas (31,3%), doenca de base (43,8%) e imunodefiCiência (25%). Nenhum oclustero de EA-BCG associado a lotes e locais de vacinacao foi identificado. O tratamento realizado foi isoniazida em 96 pacientes e multiplas drogas atituberculosas em 3. A mediana de tempo de tratamento foi semelhante entre os principais tipos de eventos (abscesso frio: 2,83m, adenomegalias supuradas: 3,17 m, p=0,450) e a associacao de mais de um evento locorregional nao prolongou o tempo de tratamento (mediana: 2,02m). A maioria dos granulomas e reativacoes da cicatriz de BCG tiveram regressao espontanea. Fatores associados a dificil resolucao do evento foram analisado, mas nenhum deles foi estatisticamente significante. Em uma crianca com falencia terapeutica, resistencia do M. bovis a Isoniazida foi identificada. Quanto ao desfecho, 93,9% dos pacientes tiveram cura, 6 (4,5%) perda de seguimento, 2 obito por causas nao associadas ao EA-BCG e 3 mantem seguimento. Conclusao: Reativacoes e granulomas devem ser incluidos entre os EA-BCG. Nos casos de falha terapeutica, outro diagnostico diferencial ou resistencia antimicrobiana deve ser considerado. Nenhum fator de risco foi identificado para os casos de dificil resolucao
Palavra-chave Humanos
Imunização
Vacina BCG/efeitos adversos
Tuberculose/prevenção & controle
Mycobacterium bovis
Terapêutica
Linfadenite
Humanos
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 96 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 96 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22776

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta