Linguagem de adolescentes nascidos prematuros e com baixo peso

Linguagem de adolescentes nascidos prematuros e com baixo peso

Título alternativo The language of adolescents born preterm and with low birth weight
Autor Martins, Adriana de Souza Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Perissinoto, Jacy Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Com os objetivos de caracterizar os comportamentos de linguagem de adolescentes nascidos pre-termo e compara-los ao desempenho de um grupo referencia, de nascimento a termo, e considerar variaveis de risco biologico e fatores sociodemograficos de protecao, foram avaliados 76 adolescentes, sendo 62% do sexo feminino, com media de 12,2 anos de idade e de 6 anos de escolarizacao, sendo 79% deles provenientes de escolas publicas. O grupo estudo (GE) abrangeu 34 participantes nascidos prematuros (idade gestacional media 31 semanas) e com peso ao nascer inferior a 2000g (media 1413,7g). Os participantes foram avaliados a partir de entrevista com os pais e aplicacao do Teste de Vocabulario por Imagens Peabody u TVIP (adaptado para o portugues brasileiro por Capovilla, Capovilla; 1997) e dos quatro subtestes do nivel 2 do Test of Language Competence u Extended Edition (TLC-E) proposto por Wiig & Secord (1989), traduzido e adaptado para o portugues por Araujo & Perissinoto (2004). Verificou-se que, de modo geral, adolescentes do grupo referencia apresentaram melhor desempenho do que aqueles nascidos prematuros, embora nao tenham sido encontradas diferencas significativas entre os grupos. Dentre as variaveis estudadas, houve uma diferenca marginalmente significativa no escore padrao referente a interpretacao de ambiguidades e nos desvios padrao do subteste Compreensao Auditiva/Realizando inferencias (S2) e para o escore Total de Palavras utilizadas no subteste Expressao Oral/Recriando Sentencas (S3). Dentre as variaveis analisadas, o tipo de escola (publica/particular) e a escolaridade materna foram as de maior impacto para a predicao do desempenho de ambos os grupos na maioria das provas avaliadas. Adolescentes provenientes de escolas publicas, filhos de maes com menores niveis de escolarizacao denotaram piores escores em tarefas linguisticas (TVIP) e metalinguisticas (TLC-E) do que aqueles matriculados em escolas particulares, independentemente dos fatores de risco biologico idade gestacional, peso ao nascer, numero de intercorrencias, presenca de HPIV ou DBP. Quanto as variaveis de risco biologico especificas para o grupo estudo, verificamos que houve uma maior frequencia de ocorrencia de desempenhos classificados como abaixo da media entre os participantes de menor peso e idade gestacional. Concluiu-se que adolescentes nascidos prematuros demonstraram as mesmas habilidades metalinguisticas dos adolescentes nascidos a termo. As pontuacoes medias referentes ao vocabulario receptivo e as habilidades metalinguisticas de interpretacao de ambiguidades e linguagem figurativa, elaboracao de sentencas com base em contextos previamente determinados e realizacao de inferencias do GE foram mais baixas do que aquelas dos adolescentes do GR, embora nao tenha sido encontradas diferencas estatisticas entre os resultados dos dois grupos. A lem disso, os fatores de protecao, dentre eles o tipo de escola e a escolaridade dos pais mostraram-se como as variaveis de maior impacto sobre as habilidades linguisticas e metalinguisticas de recepcao e expressao dos adolescentes deste estudo
Palavra-chave Adolescente
Desenvolvimento da Linguagem
Prematuro
Recém-Nascido de Baixo Peso
Adolescente
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 186 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 186 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22716

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta