Estudo da resposta inflamatória tecidual de diferentes linhagens de camundongos infectados pelo fungo demáceo fonsecaea pedrosoi

Estudo da resposta inflamatória tecidual de diferentes linhagens de camundongos infectados pelo fungo demáceo fonsecaea pedrosoi

Autor Ogawa, Marilia Marufuji Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Tomimori, Jane Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo No intuito de estudar a evolucao e natureza das lesoes induzidas pelo fungo demaceo Fonsecaea pedrosoi nos camundongos, cinco diferentes linhagens foram utilizadas: C57BL/6, BALB/c, XID, Nude e SCID e camundongos reconstituidos XID (XID-r) e Nude (Nude-r). As linhagens imunodeficientes foram: XID (para celulas B-1), Nude celulas T) e SCID (celulas B e T). Cultivou-se o fungo em gel de agar e um fragmento foi implantado no subcutaneo da regiao abdominal. Amostra tecidual do sitio de oculacao foi coletada nos dias 7,14, 21 e 28. Neste estudo nao houve disseminacao sistemica em nenhuma das linhagens de camundongos. Observou-se aparecimento de lesao nodular em todas as linhagens e no dia 14 os nodulos evoluiram com ulceracao, com excecao do camundongo SCID. Em 28 dias, houve cicatrizacao da lesao nos camundongos C57BL/6, BALB/c, XID, XID-r e Nude-r e persistencia do nodulo nos camundongos Nude e SCID. No exame histopatologico observou-se importante reacao inflamatoria aguda constituida principalmente por neutrofilos na fase inicial, apresentando posteriormente infiltrado inflamatorio granulomatoso tipo tuberculoide nos camundongos imunocompetentes e nos camundongos reconstituidos. Comparado as outras linhagens, os camundongos Nude apresentaram reacao granulomatosa difusa, enquanto nos camundongos SCID esta reacao estava ausente. Nesses camundongos imunodeficientes, Nude e SCID, tambem observou-se menor infiltrado neutrofilico. Portanto, demonstrou-se a importancia desta populacao celular na contencao do processo infeccioso evitando-se a disseminacao do fungo. Os linfocitos T tiveram papel importante na resolucao do processo infeccioso. Para avaliar a resposta imunologica a re-exposicao ao agente infeccioso, inoculou-se o fungo no dorso de camundongos C57BL/6 e apos duas semanas o animal foi re-exposto ao fungo por uma segunda inoculacao no abdomen. Coletou-se amostra no segundo sitio de inoculacao nos dia 10, 20 e 30. A lesao do segundo sitio de inoculacao apresentou um retardo na resolucao do processo infeccioso. O exame histopatologico demonstrou que nos camundongos re-expostos o infiltrado neutrofilico foi menor quando comparado com camundongos sem re-exposicao e o aparecimento do infiltrado compacto de granuloma tipo tuberculoide surgiu num tempo posterior nos camundongos com re-exposicao Nestes camundongos tambem houve aparecimento de corpos muriformes podendo indicar que a re-exposicao induziria a cronicidade do quadro. Para avaliar o tipo de hipersensibilidade envolvida na re-infeccao com o fungo F. pedrosoi, camundongos C57BL/6 foram previamente inoculados com o fungo na regiao abdominal e apos duas semanas foram re-expostos ao exoantigeno do fungo, que foi inoculado na pata. Observou-se um pico de enduracao no local de inoculacao do exoantigeno apos 1 hora e 18 horas, demonstrando ser uma reacao de hipersensibilidade imediata com reacao tardia
Palavra-chave Animais
Fungos
Cromoblastomicose
Inoculações seriadas
Camundongos endogâmicos C57BL
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2011. 156 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 156 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22702

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta