Função pragmática da linguagem e compreensão leitora na dislexia

Função pragmática da linguagem e compreensão leitora na dislexia

Título alternativo Pragmatic function of language and reading comprehension in dyslexia
Autor Carvalho, Carolina Alves Ferreira de Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ávila, Clara Regina Brandão de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Investigar o desempenho de escolares sem queixas de leitura e com Dislexia, na avaliacao da leitura, da funcao pragmatica e de habilidades da linguagem e, a partir destas, identificar variaveis preditoras da compreensao leitora na ausencia de queixas de leitura e na Dislexia Metodo: Cento e quinze escolares (67 meninas) matriculados do 3o ao 8o ano do Ensino Fundamental, foram agrupados em: Grupo Controle (GC); Grupo com Dislexia (GDis). Avaliaram-se: leitura de palavras, pseudopalavras e texto (decodificacao); compreensao oral e leitora; linguagem pragmatica; memoria operacional e closura gramatical. Analise dos itens do Test of Pragmatic Language (TOPL -2) foi conduzida para a adequacao do Teste para avaliacao pragmatica da amostra. O Teste de Mann-Whitney comparou os grupos. Alfa de Cronbach e calculos de discriminacao e acuracia foram realizados para adequar o Teste de Pragmatica. Calcularam-se coeficientes de correlacao e conduziram-se regressoes multiplas para identificar variaveis preditoras da compreensao leitora. Resultados: Apenas 20 itens do TOPL-2 preencheram os requisitos de consistencia, dificuldade e discriminacao exigidos para a adequacao do teste. A comparacao dos grupos mostrou diferencas significantes em decodificacao, closura gramatical, memoria fonologica de curto prazo (repeticao de pseudopalavras) e em respostas a questoes text-connecting a prova de compreensao leitora, com piores desempenhos do GDis. Nas avaliacoes da compreensao oral, compreensao leitora de informacoes explicitas e de inferencia gap-filling e da funcao pragmatica da linguagem os grupos mostraram-se semelhantes. As analises mostraram, para a amostra total, que o modelo mais ajustado (explicou 46% da variancia em compreensao leitora) foi composto pelas covariaveis proporcao de acertos em palavras, resposta as questoes literais na compreensao oral e subarea Audiencia - TOPL-2. Para a amostra sem queixa, o modelo mais ajustado (explicou 23% da variancia em compreensao leitora) foi composto pelas covariavies resposta as questoes literais na compreensao oral, a subarea Audiencia - TOPL-2 e a variavel tempo total despendido na leitura de textos (marginalmente significativo). Conclusao: a versao reduzida do TOPL-2 mostrou-se mais adequada. Os escolares com dislexia e os sem queixas apresentam desempenho semelhante em compreensao oral, compreensao leitora de informacoes explicitas e de inferencia por gap-filling e em funcao pragmatica da linguagem. Os escolares com dislexia apresentam pior desempenho em decodificacao leitora, memoria fonologica operacional (pseudopalavras), conhecimento gramatical e compreensao que demanda inferencias de coesao textual na leitura. A subarea Audiencia no TOPL-2 e as respostas as questoes literais na compreensao oral sao variaveis preditoras do desempenho em compreensao de leitura, independentemente do grupo. O reconhecimento impreciso de palavras tambem prediz a compreensao leitora em amostras das quais participam escolares com dislexia
Palavra-chave Leitura
Compreensão
Linguagem
Dislexia
Idioma Português
Data de publicação 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 139 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 139 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22592

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta