Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22580
Title: Intercambialidade entre Medicamentos Genéricos: estudo de caso Fluoxetina
Other Titles: Interchangeability between generic drugs: Case study Fluoxetin
Authors: Saconato, Humberto [UNIFESP]
Leite, Flavia Queiroz [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: Humanos
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Medicamentos Genéricos
Intercambialidade de Medicamentos
Equivalência Terapêutica
Metanálise
Issue Date: 2013
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: LEITE, Flávia Queiroz. Intercambialidade entre Medicamentos Genéricos: Estudo de caso Fluoxetina. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2013.
Abstract: Introdução: No ano de 1999 foram regulamentados os medicamentos genericos no Brasil. No desenvolvimento dos medicamentos genericos sao realizados estudos em voluntarios que comprovem a bioequivalencia entre os mesmos, ou seja, dois medicamentos sao considerados bioequivalentes, quando suas biodisponibilidades forem estatisticamente comparaveis. Entretanto, isto nao garante que os medicamentos genericos aprovados sejam intercambiaveis entre si, e apenas, que eles sao intercambiaveis com o seu medicamento referencia. Objetivo: Avaliar a intercambialidade entre os medicamentos genericos contendo cloridrato de fluoxetina, registrados pela Anvisa e comercializados no pais. Metodos: Foram identificados 12 medicamentos genericos comercializados, contendo o principio ativo cloridrato de fluoxetina, na concentracao de 20 mg, na apresentacao em capsulas dura gel, destes, 2 deles foram excluidos por tratar-se de estudos de bioequivalencia repetidos (copias), e um terceiro, foi excluido por nao ter comprovado a equivalencia das variabilidades inter-individuos e intra-individuos, quando comparado aos outros estudos. A avaliacao da intercambialidade entre os medicamentos genericos foi realizada atraves de calculos estatisticos para os parametros de bioequivalencia, area sob a curva de concentracao plasmatica versus tempo (ASC0-t) e concentracao plasmatica maxima observada (Cmax). Foi utilizado o metodo proposto por Chow e Liu para a metanalise dos 9 estudos de bioequivalencia selecionados. Resultados: Todos os 9 estudos tiveram os calculos dos parametros farmacocineticos refeitos, e os intervalos de confianca 90% obtidos para as razoes dos parametros farmacocineticos Cmax e ASC dos produtos teste 1 a 9, em relacao aos seus respectivos referencias, apresentaram-se dentro dos limites estabelecidos pela Anvisa, o que significa que, foi confirmada a bioequivalencia entre cada um desses 9 medicamentos genericos com o seu respectivo referencia. Os intervalos de confianca 90% para o parametro Cmax apresentaram diferencas na velocidade de absorcao entre os produtos: - Teste 2 x Teste 6 (IC de 79,16 a 95,23%) e Teste 2 x Teste 9 (IC de 79,23 a 94,81%). Nestas duas comparacoes os intervalos de confianca extrapolaram os limites de 80% a 125%, dessa forma, de acordo com as legislacoes da Anvisa, estas formulacoes nao sao bioequivalentes entre si, o que inviabilizaria a intercambialidade entre estes medicamentos. Conclusoes: Atraves dos resultados obtidos na metanalise dos estudos de bioequivalencia dos medicamentos genericos comercializados, contendo o principio ativo cloridrato de fluoxetina, podemos concluir que, nem todos os medicamentos genericos disponiveis no mercado sao bioequivalentes entre si, podendo resultar em respostas terapeuticas diferentes nos pacientes
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22580
Appears in Collections:Dissertação de mestrado

Files in This Item:
File SizeFormat 
Tese-13781.pdf413.75 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.