Análise da deglutição orofaríngea em pacientes com esclerose múltipla.

Análise da deglutição orofaríngea em pacientes com esclerose múltipla.

Título alternativo Analysis of oropharyngeal swallowing in patients with multiple sclerosis
Autor Vicente, Laelia Cristina Caseiro Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Gonçalves, Maria Inês Rebelo Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Distúrbios da comunicação humana (fonoaudiologia) – São Paulo
Resumo Objetivos: Verificar a frequencia de alteracoes da degluticao nos individuos com esclerose multipla e quais sao os comprometimentos; identificar se as queixas de disfagia relatadas pelos pacientes sao compativeis com os achados videofluoroscopicos; e analisar o impacto na qualidade de vida relacionada a degluticao. Metodos: Participaram 80 individuos com esclerose multipla, sendo 66 (82,5%) mulheres e 14 (17,5%) homens, com idade entre 19 e 61 anos, media de 40,1 anos. O tipo de esclerose multipla apresentada por 61 (76,3%) individuos foi remitente recorrente; por 12 (15%), secundariamente progressiva; por quatro (5,0%) primariamente recorrente; e por tres (3,8%), primariamente progressiva. A Escala Expandida de Estado de Incapacidade variou de 0 a 8,0, com media de 3,97. Os participantes foram submetidos as avaliacoes clinica fonoaudiologica e videofluoroscopica da degluticao e a aplicacao do questionario de qualidade de vida em degluticao - Swal-QOL. Os dados foram analisados no programa R, tendo-se empregado medidas de tendencia central e dispersao, bem como os testes de Mann-Whitney, Nemenyi, Kruskal-Wallis, Exato de Fisher, Qui-Quadrado, Quase-Verossimilhanca, regressoes marginais logisticas e o coeficiente de correlacao de Sperman. O valor de significancia foi de 5%. Resultados: Na anamnese, 65% dos participantes referiram alguma queixa de comprometimento de degluticao, da qual 50% apontaram a dificuldade de engolir, sendo que 45% relataram sensacao de penetracao e/ou aspiracao, com frequencia de oAs vezeso (30%), durante a degluticao (31,2%) e com liquido (22,5%). Na avaliacao clinica, 47,5% apresentaram algum comprometimento do sistema estomatognatico, sendo a hipotonia a principal alteracao, e sobretudo na lingua (35%). Na videofluoroscopia, a fase faringea foi a mais comprometida (83,7%), caracterizada pela presenca de residuo na faringe (76,3%). Quanto a gravidade da disfagia, 57,5% foram classificados como degluticao funcional e 15,1% apresentaram variacao entre discreto e discreto/moderado. A penetracao alimentar ocorreu em 11,3% e a aspiracao em 2,6%, sendo silente em 81,8%. Houve associacao entre as queixas de sensacao de aspiracao relatadas na anamnese e a presenca de residuo na laringe (p=0,043), com uma razao de chance de 3,55, alem da sensacao de residuo e a presenca de penetracao/aspiracao durante a degluticao (p=0,026). Nao houve associacao entre residuo apos a degluticao e sensacao de acumulo de alimento, nem presenca de penetracao/aspiracao antes, durante ou apos a degluticao ou sensacao de penetracao/aspiracao. Quanto a qualidade de vida em degluticao, o dominio que obteve a maior pontuacao media foi a funcao social (94,6), alcancando a menor pontuacao os dominios fadiga (49,1) e sono (45,6), sendo que a media do escore geral foi de 75,3. Conclusoes: A presenca da disfagia orofaringea nos pacientes com esclerose multipla foi de 15,1%, com grau de comprometimento leve. Residuo na faringe foi a alteracao que mais ocorreu. A penetracao e/ou aspiracao alimentar, assim como, as associacoes entre as queixas de disfagia relatadas pelos pacientes e as alteracoes encontradas na videofluoroscopia foram pouco frequentes. Quanto a qualidade de vida relacionada a degluticao, os resultados revelaram que a doenca nao impacta negativamente este aspecto
Assunto Transtornos de Deglutição
Esclerose Múltipla/complicações
Qualidade de Vida
Testes Neuropsicológicos
Idioma Português
Data 2013
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2013. 95 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 95 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22558

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)