Expressao dos glicosaminoglicanos no desenvolvimento do cancer de esofago em um modelo experimental em rato

Expressao dos glicosaminoglicanos no desenvolvimento do cancer de esofago em um modelo experimental em rato

Título alternativo Expression of glycosaminoglycans in an experimental model of esophageal carcinoma in rat
Autor Brito, Pedro Luiz Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A incidencia do cancer de esofago particularmente do adenocarcinoma de esofago vem aumentando nas ultimas decadas. O adenocarcinoma esta associado com a doenca do refluxo gastresofagico e com a presenca do esofago de Barrett que e considerado uma lesao pre-maligna. Como a sobrevida dos pacientes com essa neoplasia e pequena existe uma busca por biomarcadores que permitam identificar os pacientes com esofago de Barrett com maior probabilidade de desenvolverem o adenocarcinoma alem de servirem como fatores prognosticos e orientarem a adocao de medidas terapeuticas mais eficazes. Dentre os possiveis candidatos a esse papel estao os glicosaminoglicanos (GAGs), compostos da matriz extracelular e da superficie celular que tem papel importante no processo de carcinogenese. Objetivos: Utilizar um modelo experimental para inducao do esofago de Barrett e do adenocarcinoma de esofago em ratos para verificar a correlacao entre a aparecimento dessa neoplasia e a expressao dos GAGs no esofago. Metodos: O grupo experimento foi formado por ratos Wistar submetidos a cirurgia com realizacao de anastomose esofago-duodenal e sacrificados em tres diferentes momentos do pos-operatorio: grupo experimento 1 (ate 10 semanas), grupo experimento 2 (cerca de 20 semanas) e grupo experimento 3 (mais de 40 semanas). Foram realizadas analises macroscopica e histopatologica, identificacao e quantificacao dos GAGs e imunohistoquimica. Os resultados quantitativos obtidos foram submetidos a analise de covariancia com nivel de significancia ! igual a 5%. Resultados: Foram operados 72 animais dos quais 21 foram sacrificados como previsto: grupo experimento 1 (n=5), grupo experimento 2 (n=8) e grupo experimento 3 (n=8). Todos os animais dos grupos experimentos desenvolveram esofagite acentuada com a presenca de esofago de Barrett. No grupo experimento 3, 50% dos animais desenvolveram cancer de esofago, mas do tipo carcinoma de celulas escamosas ao inves de adenocarcinoma. Os GAGs identificados foram o heparam sulfato (HS), um composto hibrido dematam sulfato / condroitim sulfato (DS/CS) e o acido hialuronico (AH). Observou-se um aumento significativo do HS (p<0,008) e do composto DS/CS (p<0,001) e uma diminuicao tambem significativa do AH (p=0,029) nos grupos experimentos. Alem disso, os animais dos grupos experimentos apresentaram AH de menor peso molecular quando comparados aos animais dos grupos controles. Quando os animais do grupo experimento 3 que apresentaram neoplasia foram comparados com os animais do mesmo grupo sem neoplasia nao houve diferenca significativa A analise imunohistoquimica foi compativel com os achados quantitativos. Conclusoes: Embora o modelo experimental nao tenha permitido o estudo da progressao do esofago de Barrett para o adenocarcinoma, demonstrou-se que o aumento na quantidade dos GAGs sulfatados bem como a presenca de AH de baixo peso molecular estao relacionados com a esofagite presentes nos animais dos grupos experimentos e que essas alteracoes antecedem o aparecimento do cancer de esofago
Palavra-chave Animais
Neoplasias Esofágicas
Glicosaminoglicanas
Proteoglicanas
Biomarcadores Farmacológicos
Modelos Animais
Animais
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2011. 66 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 66 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22523

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta