Implicacoes da postura distonica na epilepsia do lobo temporal por esclerose mesial temporal

Implicacoes da postura distonica na epilepsia do lobo temporal por esclerose mesial temporal

Título alternativo Distonic posturing impact in temporal lobe epilepsy with mesial sclerosis
Autor Uchida, Carina Goncalves Pedroso Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: epilepsia do lobo temporal (ELT) com esclerose mesial temporal (ELTEMT) cursando com crises farmacorresistentes e uma sindrome na qual os resultados do tratamento cirurgico sao superiores aos do tratamento clinico, com bom controle de crises em 60-70% dos casos. Porem, esta porcentagem diminui com longos periodos de seguimento pos-operatorio. Postura distonica ictal unilateral (PD) e o sinal lateralizatorio mais confiavel na ELT, e sua ocorrencia varia entre 15 e 87% dos pacientes, sendo contralateral ao lobo epileptogenico em mais de 90% dos casos. Embora a ocorrencia de PD durante a monitorizacao pre-operatoria por video-EEG seja importante para a correta lateralizacao do hemisferio epileptogenico na ELT-EMT, seu impacto no prognostico cirurgico quanto ao controle de crises permanece controverso. Ainda, PD foi recentemente associada a um sistema homoestatico cerebral endogeno que evita a evolucao da crise parcial complexa (CPC) para crise tonico-clonica generalizada (TCG). Objetivo: analisar o impacto da PD no prognostico pos-cirurgico de pacientes com ELT-EMT, e verificar sua influencia na evolucao de crises parciais para crises TCG durante o video-EEG pre-operatorio destes pacientes. Metodos: todas as CPC disponiveis e em boas condicoes de analise dos pacientes submetidos a lobectomia temporal anterior (LTA) na UNIFESP entre 2002 e 2010, com pelo menos um ano de seguimento pos-cirurgico, foram retrospectivamente analisadas e classificadas como tendo ou nao PD, e evoluindo ou nao para crises TCG. Os correlatos semiologicos da PD, o intervalo de tempo transcorrido entre a crise analisada e a crise anterior e o esquema de drogas antiepilepticas (DAEs) prescrito antes de cada crise foram avaliados. Auras isoladas foram excluidas da analise. O prognostico cirurgico quanto ao controle de crises foi aferido de acordo com a escala de Engel no primeiro ano apos a LTA, e na ultima visita ambulatorial. Resultados: 527 CPC de 171 pacientes foram analisadas. Cinquenta e oito dos 171 pacientes (34%) apresentaram PD, 91,5% sempre unilateral e contralateral ao lado operado. PD foi associada a crises mais breves (p=0,007) e diminuiu a probabilidade de evolucao de CPC para crises TCG (p=0,001), mesmo durante a retirada de DAEs (p=0,002). Conclusao: Nao houve associacao entre PD e prognostico cirurgico quanto ao controle de crises, mesmo em longos periodos de seguimento pos-operatorio. Nossos dados suportam a hipotese de que a ocorrencia da PD poderia ser um marcador clinico da ativacao de redes neuronais especificas que influenciam no controle das crises, evitando a evolucao de CPC para crises TCG, inclusive quando da retirada das DAEs
Palavra-chave Humanos
Epilepsia do Lobo Temporal
Distonia
Prognóstico
Convulsões
Eletroencefalografia
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo : Rio de Janeiro: [s.n.], 2012. 168 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 168 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22514

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta