Efeitos de um programa de exercícios aquáticos de alta intensidade (HydrOS) sobre parâmetros neuromusculares e metabolismo ósseo de mulheres pós-menopausadas

Efeitos de um programa de exercícios aquáticos de alta intensidade (HydrOS) sobre parâmetros neuromusculares e metabolismo ósseo de mulheres pós-menopausadas

Título alternativo Effects of a high-intensity aquatic exercise program (HydrOS) on neuromuscular parameters and bone metabolism of postmenopausal women
Autor Moreira, Linda Denise Fernandes Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Lazaretti-Castro, Marise Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O objetivo desse estudo foi avaliar os efeitos de um programa de exercicios aquaticos de alta intensidade sobre os parametros neuromusculares, quedas, metabolismo osseo e massa ossea de mulheres pos-menopausadas. METODOLOGIA: 108 mulheres pos-menopausadas (58,8±6,4 anos) foram randomizadas em Grupo Controle (GC, n=44) e Grupo de Exercicios Aquaticos (GEA, n=64). Ambos os grupos receberam 500 mg de calcio elementar e 1.000 UI de colecalciferol/dia. Por 24 semanas o GEA participou de um programa de exercicios aquaticos de alta intensidade, com sessoes 3 x semana. As seguintes variaveis foram mensuradas antes e apos a intervencao: numero de quedas e de caidoras; flexibilidade (FLEX) atraves do teste de sentar e alcancar de Wells; equilibrio estatico (EQUI) pelo teste de apoio unipodal de olhos abertos; mobilidade atraves do teste oTimed-up-and-goo (TUG); forca de preensao manual da mao dominante (FPM); forca isometrica maxima dos musculos extensores da coluna (FCOL), flexores do quadril (FQUA) e extensores do joelho (FJOE). Antes e apos as 24 semanas de intervencao todas as participantes tiveram seu sangue coletado em jejum para a analise da 25-hidroxivitamina D (25(OH)D) e dos seguintes marcadores de remodelacao ossea: paratormonio intacto (iPTH), pro-peptideo amino terminal do pro-colageno tipo I (P1NP), telopeptideo carboxiterminal do colageno tipo I (CTx) e calcio total (CaT). Antes e apos a intervencao as participantes tambem tiveram a densidade mineral ossea (DMO) da coluna, do femur e do corpo total avaliada pelo exame de densitometria ossea. Alem disso, fizemos uma analise dos efeitos agudos de apenas uma sessao de treino de exercicios aquaticos de alta intensidade e para tanto, tivemos 79 mulheres pos-menopausadas no GEA (58,69±5,6) e 16 mulheres no GC (60,1±3,00), em que analisamos os mesmos marcadores de remodelacao ossea ja citados. Os resultados (apresentados como Media+Desvio Padrao) foram considerados significativos quando p<0,05. RESULTADOS: A 25(OH)D teve um aumento de 21% no GC e de 23% no GEA. O numero de quedas e de caidoras nao mudou no GC apos o protocolo, contudo, no GEA a media de quedas foi de 2,00 para 0,29 (p<0,0001) e o numero de caidoras foi 11 reduzido em 44% (p<0,0001) ao final do estudo. Todos os parametros neuromusculares sofreram uma melhora significativa no GEA: FLEX (26,6%), EQUI (14,1%), TUG (23,7%), FPM (13,4%), FCOL (26,2%), FQUA (18,5%), FJOE (7,7%). No GC, melhoras significativas foram observadas apenas na FLEX (12,2%), no EQUI (4,5%), no TUG (10%) e na FQUA (5,7%); essa melhora pode ser explicada pelo aumento da vitamina D serica devido a suplementacao. Como efeitos cronicos das 24 semanas de intervencao no metabolismo osseo, observamos um aumento no marcador de formacao ossea (P1NP) apenas no GEA (15,8%; p= 0,001), e apesar de ambos os grupos terem aumentado significativamente o marcador de reabsorcao ossea (CTx) (15% no GEA e 29% no GC), esse aumento foi menos expressivo no GEA. O iPTH foi aumentado em 19% no GC (p= 0,003) ao final das 24 semanas. A DMO do trocanter femoral diminuiu em 1,2% no GC (p= 0,009), enquanto o GEA manteve a massa ossea nesse sitio (p= 0,069). Observamos tambem que houve um efeito agudo de uma unica sessao de treino com exercicios aquaticos de alta intensidade sobre os marcadores de remodelacao ossea das participantes. CONCLUSOES: O programa de exercicios aquaticos de alta intensidade testado nesse estudo, chamado HydrOS, se mostrou eficiente em melhorar a aptidao fisica e diminuir a incidencia de quedas entre as mulheres pos-menopausadas estudadas. Tambem foi eficiente em atenuar o aumento da reabsorcao ossea no GEA, evitando que as participantes desse grupo perdessem densidade mineral ossea no trocanter femoral, como ocorreu no GC. Portanto, a HydrOS deve ser implementada como parte da prevencao e do tratamento da Osteoporose em mulheres pos-menopausadas, como uma estrategia nao-farmacologica importante capaz de melhorar a aptidao fisica, reduzir as quedas e manter a massa ossea nessa populacao
Palavra-chave Menopausa
Osteoporose
Aptidão física
Quedas
Exercício
Hidroterapia
Osso e ossos/metabolismo
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 208 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 208 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22510

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta