Estudo longitudinal dos aspectos cognitivo e comportamental em uma amostra de pacientes com diferentes diagnósticos psiquiátricos em tratamento psicoterápico

Estudo longitudinal dos aspectos cognitivo e comportamental em uma amostra de pacientes com diferentes diagnósticos psiquiátricos em tratamento psicoterápico

Título alternativo Longitudinal study of cognitive and behavioral aspects of psychiatric patients in psychotherapy
Autor Botelho, Nara Lucia Poli Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Yazigi, Latife Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Estudar as possiveis mudancas nos aspectos cognitivo e comportamental de pessoas com diferentes diagnosticos psiquiatricos, atendidas em psicoterapia de longa duracao. Metodo: Os participantes foram avaliados antes do ingresso no tratamento psicoterapico e re-avaliadas anualmente em dois momentos por meio dos mesmos instrumentos na forma teste-reteste. Instrumentos: Foi utilizada a Entrevista Clinica Estruturada para o DSM-IV (SCID-I e SCID-II) para a identificacao do diagnostico psiquiatrico e para a avaliacao do perfil cognitivo, utilizou-se o WAIS-III, os subtestes Memoria Logica e Reproducao Visual do WMS-R, o Rey Auditory Verbal Learning Test e o Rey-Osterrieth Complex Figure Test. Resultados: Foram avaliados 91 individuos adultos de ambos os sexos, com idade media de 39,40 anos. Desses, 86,42% apresentaram diagnostico de Transtorno de Humor (Eixo-I) e 70,33% algum Transtorno de Personalidade (Eixo-II). A comparacao entre os resultados iniciais e finais mostrou melhoras no funcionamento cognitivo global, com maior repercussao sobre o desempenho de execucao do que verbal. As melhoras observadas referem-se a velocidade do processamento, organizacao visuoespacial, pensamento convencional e capacidade de abstracao e insight. Conclusao: Os participantes deram mostras de terem se beneficiado do tratamento psicoterapico associado ao medicamentoso, ja que ambos contribuiram para reduzir as inefiCiências cognitivas observadas inicialmente. Ambos contribuiram para um funcionamento cognitivo global mais efetivo e de melhor interacao consigo e com o meio externo. Ambos promoveram diminuicao de sintomas e aumento da disposicao emocional e por isso passaram a responder as demandas externas de forma mais adaptativa decorrente da melhora na capacidade de autoregulacao
Palavra-chave Psicoterapia
Avaliação
Cognição
Testes de inteligência
Depressão
Transtornos mentais
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2011. 125 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 125 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22377

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta