Seguranca, tolerabilidade e carga viral periparto de gravidas infectadas pelo HIV, tratadas com Lopinavir/Ritonavir comprimidos em dose aumentada comparada a dose habitual na gestacao

Seguranca, tolerabilidade e carga viral periparto de gravidas infectadas pelo HIV, tratadas com Lopinavir/Ritonavir comprimidos em dose aumentada comparada a dose habitual na gestacao

Título alternativo Safety, tolerability and undetectable viral load at delivery of increased dose compared to standard dose of Lopinavir/Ritonavir during pregnancy
Autor Bonafe, Simone Martins Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: Estudos de farmacocinetica indicam reducao da concentracao de Lopinavir durante o segundo e terceiro trimestres da gestacao. Consequentemente, dose aumentada Lopinavir/Ritonavir (LPV/R) pode ser necessaria nesse periodo da gestacao, para reduzir o risco de CV detectavel no periparto e possivel transmissao materno-fetal. Objetivos: Avaliar a tolerancia e seguranca do uso da dose aumentada de LPV/R (600/150 mg 12/12h) em relacao a dose habitual (400/100 mg 12/12h). Metodos: Gestantes com infeccao confirmada pelo HIV, com idade gestacional entre 14 e 33 semanas, sem alteracoes laboratoriais maiores que grau I de creatinina, ALT, glicemia e triglicerides foram randomizadas para receber dose habitual ou dose aumentada. Mensalmente, foram avaliados sintomas gastrointestinais e alteracoes laboratoriais nas gestantes incluidas, alem de prematuridade, baixo peso ao nascer e CV indetectavel no periparto. Resultados: 61 pacientes foram randomizadas, sendo 32 para o grupo de dose habitual e 29 para dose aumentada. Entre as pacientes que iniciaram LPV/R na gestacao, 36,9% apresentaram diarreia com dose aumentada e 25% com dose habitual. Nas gestantes que ja usavam LPV/R no momento da randomizacao e receberam dose aumentada 30% apresentaram diarreia. Nausea no primeiro mes, apesar de leve, foi duas vezes mais frequente nas pacientes que utilizaram dose aumentada (40,2%) em relacao a dose habitual (20,8%). Nao foi observado maior ocorrencia de hepatotoxicidade, alteracoes glicidicas e lipidicas no grupo de dose aumentada em relacao ao grupo de dose habitual. O uso de dose aumentada nao apresentou maior taxa de prematuridade, bem como de baixo peso ao nascer em relacao ao grupo de dose habitual. Gestantes com CV>50 copias/ml no momento da randomizacao tiveram percentual de CV<50 copias/ml no periparto significantemente maior quando alocadas para dose aumentada (p=0,01). Conclusoes: Gestantes que iniciaram LPV/R na gestacao apresentaram tolerancia e alteracoes laboratoriais semelhantes entre os dois grupos. Gestantes com CV detectaveis que recebem LPV/R parecem se beneficiar com dose aumentada durante o segundo e terceiro trimestre da gestacao. Este beneficio nao foi observado em gestantes com CV<50 copias/ml
Palavra-chave HIV
Gravidez
Lopinavir/administração & dosagem
Ritonavir/administração & dosagem
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 69 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 69 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22306

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta